1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Oito e Meio', de Federico Fellini, ganha versão restaurada

- Atualizado: 10 Janeiro 2016 | 21h 20

Clássico do diretor, entretanto, nunca foi uma unanimidade

Na série de clássicos restaurados que recolocou em cartaz filmes que a nova geração só conhecia da TV e do DVD, chega a vez de um grande Federico Fellini. Se você pertence ao grupo que nunca viu Oito e Meio no cinema, é sua chance. E, se você já viu, reveja, mesmo assim. Nove entre dez críticos vão dizer que Fellini 8 1/2 é a obra-prima do diretor e até o décimo será capaz de vacilar entre A Doce Vida – que também voltou restaurado – e Amarcord, retornando a Otto e Mezzo. Em 1963, ganhou o Oscar de filme estrangeiro e também o de melhor figurino em preto e branco. Mais recentemente, uma enquete com 30 importantes cineastas apontou-o como o maior filme europeu de todos os tempos e Fellini, como o autor mais influente.

Mesmo assim, Oito e Meio não é, e nunca foi, uma unanimidade. Na época, o filósofo Gerd Bornheim considerava absurdo que um artista reduzisse o cinema a um delírio autobiográfico – desconsiderando o fato de que o próprio Fellini dizia que, de todos os seus filmes, talvez fosse o que menos se inspirava em incidentes de sua vida. A crítica norte-americana Pauline Kael também não rezava pela cartilha de Oito e Meio. Admirava a beleza das cenas, mas achava que Fellini se comportava como um aspirante a diretor, transformando um receituário de situações que espelhavam a suposta crise de criação em verdades absolutas, e que nesse sentido o filme lhe parecia bem convencional.

De todas as críticas feitas a Oito e Meio, a de Pauline Kael permanece a mais bizarra. ‘Convencional’ não é um termo que se aplique impunemente a um filme como o de Fellini. O diretor realizou-o logo depois de A Doce Vida, em 1960. Na verdade, entre ambos, exercitou-se num pequeno grande filme – o episódio As Tentações do Dr. Antônio, incorporado a Boccaccio 70 com outros episódios assinados por Luchino Visconti (O Trabalho) e Vittorio De Sica (A Rifa). O que seria o quarto episódio, dirigido por Mario Monicelli, Renzo e Luciana, foi suprimido e nunca reintegrado à versão lançada fora da Itália. E o importante é que, logo depois de La Dolce Vita – que ganhou a Palma de Ouro em Cannes –, Fellini descobriu a psicanálise de Jung ao se aproximar de um renomado discípulo do mestre.

Casal. Anouk Aimée e Marcello Mastroianni
Casal. Anouk Aimée e Marcello Mastroianni

Por influência de Ernst Bernhard (seu nome), Fellini leu a biografia de Jung, Memories, Dreams, ReflectionsMemórias, Sonhos, Reflexões – e também adentrou-se nos mistérios do I Ching e passou a fazer o registro de seus sonhos. Hoje, o que o diretor chamava de ‘percepções extrassensoriais’ são interpretadas como manifestações psíquicas do seu inconsciente e, como tal, à luz da psicologia de Jung, se constituem numa influência decisiva sobre a arte do Fellini mais maduro, marcando sua definitiva ruptura do neorrealismo, do qual já vinha se distanciando pela via do onirismo. O Fellini pós-Oito e Meio incorpora o sonho e fragmenta a narrativa. Os próprios personagens vão virando arquétipos e, por isso mesmo, sem negar o brilho dos filmes, muitos críticos dizem que o cinema de Fellini virou um gênero. Criou-se até um adjetivo, felliniano, empregado não apenas para seus filmes e personagens, mas para coisas imaginativas e grandiosas.

Tudo isso é suscetível de discussão e contribuiu para a aura que o filme adquiriu nesses 50 e tantos anos. Oito e Meio começa num clima de sonho, com um homem que foca no carro parado no trânsito pesado. É uma metáfora do impasse criativo vivido por Guido Anselmi, o cineasta interpretado por Marcello Mastroianni – e o grande ator tornou-se o alter ego do autor. O filme que Guido sonha realizar não anda e ele libera sua mente em lembranças e projeções fantásticas que Fellini transforma em imagens filmadas nos gigantescos sets montados no estúdio 5 de Cinecittà (e seus arredores). Guido idealiza o passado, suas lembranças, e as mulheres. Além da mulher (Anouk Aimée) e da amante (Sandra Milo), é perseguido por uma jovem que representa a pureza (Claudia Cardinale) e pela animalesca e demoníaca Saraghina, que talvez tenha sido seu primeiro objeto de desejo, quando garoto. Com os coleguinhas de escola, Guido, com a imensa capa prata das escolas italianas sob o fascismo, corre à casa de Saraghina, frente ao mar, e lhe pede que dance. “La rumba, Saraghina, la rumba!”

Eddra Gale é quem faz o papel e, quando Guido resolve recriar a fantasia do seu passado, a atriz que deve encarnar a Saraghina não se revela à altura da personagem. É um dos motivos pelos quais o filme dentro do filme se destina ao fracasso, mas isso não impede que, no desfecho, Guido/Fellini, como a Lola Montès de Max Opuls, monte um imenso espetáculo de circo do qual participam os 50 e tantos personagens, mais os integrantes da equipe técnica e artística. É um dos desfechos mais feéricos e grandiosos do cinema. A deslumbrante fotografia em P&B de Gianni di Venanzo e a trilha de Nino Rota somente a magia.

O curioso é que Oito e Meio terminou inspirando dois famosos musicais. O primeiro foi All That Jazz/O Show Deve Continuar, de Bob Fosse, que dividiu com Kagemusha – A Sombra do Samurai, de Akira Kurosawa, a Palma de Ouro no Festival de Cannes de 1980. No filme de Fosse, um diretor à beira da morte faz a síntese de sua vida e obra num leito de hospital. Veio depois, em 2009, Nove, de Rob Marshall, que os fellinianos de carteirinha tendem a menosprezar, mas no qual Fergie, como a Saraghina, é poderosa. Seu número é magnífico, e Fellini, que morreu em 1993, aos 73 anos, teria aprovado.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX