1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'O Fio de Ariane' investe na força da fantasia em cenário francês

- Atualizado: 06 Janeiro 2016 | 20h 30

Longa mantém o foco na realidade social que atrai o autor

Robert Guédiguian admite, numa entrevista por telefone, estar preocupado com o que ocorre na França. “O governo de (François) Hollande foi uma decepção e ele se vale agora dos atentados para tentar unir os franceses num discurso patriótico. Seu discurso pela unidade tem algo de excludente, porque ignora o Magreb. Hollande busca parceiros para atacar a Síria, como se essa fosse a solução.”

Mas o telefonema é para falar de O Fio de Ariane, seu filme que estreia nesta quinta-feira, 7. Não se pode dizer o ‘novo’ Guédiguian. “Queria estrear Histoire de Fou em 2015, para assinalar o centenário do genocídio armênio e, assim, terminei ficando com um ano vago. Como o genocídio é um tema pesado, resolvi fazer, rapidamente, alguma coisa leve e divertida, que fosse como um presente para Ariane (sua mulher, a atriz Ariane Ascaride).

Levando ao pé da letra o conceito do ‘presente’, Guédiguian abre seu filme com um bolo de aniversário. Na ficção, Ariane, que se chama assim mesmo, espera amigos e familiares para festejar o aniversário. Como ninguém aparece, ela parte sozinha, para comemorar em Marselha. Aceita uma carona e vai parar num bar. Faz uma viagem de descoberta, encontrando um monte de gente.

“Desde o início, a essência de O Fio de Ariane era a fantasia”, define o diretor. Mas é uma fantasia à Guédiguian, um daqueles diretores - como Ken Loach e os Dardenne - que não desiste de fazer filmes engajados, sociais. “Estamos na contramão das tendências, mas alguém tem de continuar batendo na tecla do humanismo e da consciência social”, ele diz.

Ariane Ascaride. Com Jean-Pierre Darroussin, outro ator sempre presente nos filmes do diretor
Ariane Ascaride. Com Jean-Pierre Darroussin, outro ator sempre presente nos filmes do diretor

A Ariane da ficção avança pelo labirinto que virou o mundo, mas, na fábula de Guédiguian, chega a um ponto em que precisa recuar, para se (re)encontrar. Como a Ariane da mitologia, no labirinto do Minotauro, observa o repórter? “Exatamente, e por isso ela precisa do fio para voltar. Não é um retrocesso, porque a Ariane do fim não é a mesma do começo”, avalia o diretor.

Para ele, e até por ser um presente para a mulher, O Fio de Ariane é uma celebração da arte do ator. “Como tudo o que faço, o filme é muito escrito e planejado. Pelo tom, as pessoas tendem a achar que muitas cenas, senão todas, foram improvisadas, mas não é nada disso. O que ocorre é que eu dava a Ariane e aos demais atores a liberdade de criar na cena. Volta e meia, ela própria me propunha - vamos tentar assim? E a gente fazia. Foi uma filmagem muito prazerosa.”

Embora seja um diretor de ‘esquerda’, Guédiguian trabalha no mercado. “Tenho um público fiel. Meus filmes não perdem dinheiro e isso me permite seguir trabalhando.” O Fio de Ariane fez 200 mil espectadores, o que, pelo tamanho e custo do filme, está bem. Mas os atentados derrubaram Histoire de Fou na bilheteria. “A última coisa que as pessoas queriam era se encerrar no cinema.” Pior que a queda do público foi a brutalidade da experiência, avalia Guédiguian. “Não vamos perder o foco nem a esperança, mas o momento é grave”, conclui.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX