1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Múltiplo, Bowie teve momentos marcantes no cinema

- Atualizado: 11 Janeiro 2016 | 12h 06

Cantor atuou em filmes como 'Labirinto', 'Furyo' e 'Fome de Viver'; confira trailers

O cantor e compositor David Bowie durante sua passagem por SP, em 1990
O cantor e compositor David Bowie durante sua passagem por SP, em 1990

David Bowie havia lançado na sexta feira, 8, seu novo CD, Blackstar, pelo qual recebeu críticas positivas. Era o dia de seu aniversário - 69 anos. Na madrugada desta segunda, 11, vazou a notícia de sua morte. Bowie teve um enfarte, sofria de câncer. Foi-se. Mas é só a gente fechar os olhos e, no imaginário, ressurge o camaleão do rock. Ele não foi só um grande músico, cantor e compositor. A revista Rolling Stone considera o álbum dele The Rise and Fall of Ziggy Stardust um dos maiores da história. E Ziggy, entre todas as personas que Bowie criou, foi, talvez, a principal inspiração para Velvet Goldmine, o Cidadão Kane do glam rock, de Todd Haynes.

De todos os astros do rock, Bowie foi o único, pode-se dizer, a levar uma carreira que não era apenas 'complementar' no cinema. Mick Jagger, dos Rolling Stones, filmou com Tony Richardson (Ned Kelly) e Jean-Luc Godard (One plus One), mas Bowie ousou ainda mais. Ele deixou sua marca na música, na moda, no comportamento - e no cinema. Alguns hão de se lembrar dele em Labirinto, fantasia de Jim Henson. Outros de Apenas Um Gigolô, do ator David Hemmings, em que contracenou com a lendária Marlene Dietrich, em sua última aparição na tela. Mas os filmes que esculpiram a lenda de David Bowie no cinema foram outros. Foram os que esculpiram ou subverteram sua famosa androginia. 

O Homem Que Caiu na Terra, de Nicolas Roeg, é uma ficção científica quase tão visceral quanto 2001, o clássico de Stanley Kubrick. Um homem viaja do futuro em busca de água. Adquire o poder e forma uma nova família, mas não se esquece da outra, que deixou no espaço. Furyo, Em Nome da Honra é produto da associação de dois provocadores, Bowie e o diretor japonês Nagisa Oshima. Depois do sexo explícito dos dois Impérios, o dos Sentidos e o da Paixão, Oshima contou a história do inglês que desperta o desejo proibido do comandante japonês do campo em que está prisioneiro. Dois mitos da música - Bowie e Ryuchi Sakamoto. O filme tem a cena em que Bowie canta - e desafina. Que outro cantor faria isso para servir ao personagem?

E, claro, Fome de Viver, do irmão de Ridley Scott, Tony. O verdadeiro True Bloood. Uma história contemporânea de vampiros - ou uma história de vampiros contemporâneos. Em Nova York, podres de chic, Bowie e Catherine Deneuve precisam do sangue jovem de Susan Sarandon para sobreviver. Sexo a dois, a três. Sangue e suor. Ambientes luxuosos, magnificamente filmados, mais que em qualquer comercial.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX