1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mostra Tiradentes chega a São Paulo com novos autores

- Atualizado: 16 Março 2016 | 08h 48

Cinesesc sedia versão do evento mineiro com filmes e debates

Grande (principal?) vitrine do cinema autoral e independente no País, a Mostra de Tiradentes desembarca em São Paulo, no Cinesesc, trazendo os vencedores da Mostra Aurora deste ano e títulos representativos das demais seções que integraram a programação de janeiro no interior de Minas. É o quarto ano consecutivo em que ocorre a parceria do Sesc com a Universo Produção, que promove não apenas a Mostra de Tiradentes, mas também outros eventos de cinema ao longo do ano - a Mostra de Ouro Preto, CineOP, em junho, e a Mostra Cine BH, no fim do ano.

Cada uma possui um perfil. Cinema de jovens autores, de arquivo e contemporâneo, de mercado. A Mostra de Tiradentes realizou este ano sua 19.ª edição. Traz a São Paulo, a partir desta quarta, 16, quinta, 17, (e até dia 23) 37 filmes - 20 longas, 16 curtas e um média. Serão exibidos em 25 sessões. Raquel Hallak, da Universo, destaca a importância de dar vez e voz a um cinema sem espaço. E destaca - "Estaremos apresentando todos os filmes da Mostra Aurora, antecedidos de apresentação pelos autores e seguidos de bate-papo com o público. Nas edições anteriores, ocupamos três faixas de horário no Cinesesc. Desta vez, estaremos nas quatro. A novidade é que vamos apresentar também os filmes da homenagem a Andrea Tonacci."

'Jovens Infelizes', de Thiago B. Mendonça
'Jovens Infelizes', de Thiago B. Mendonça

Raquel acrescenta que haverá um seminário sobre o tema da 19.ª edição - espaços em conflito. "O curador Cleber Eduardo vai debater com autores e estudiosos, incluindo Thiago B. Mendonça, que venceu a Mostra Aurora deste ano com Jovens Infelizes ou Um Homem Que Grita Não É Um Urso Que Dança. O Thiago é paulista e o foco do nosso seminário em São Paulo estará justamente na cena paulista, que é muito forte e este ano esteve muito bem representada em Tiradentes." O longa de Mendonça aborda a relação entre teatro e cinema por meio de um grupo que faz de sua arte uma forma de militância política. A Mostra Espaços em Conflito, sintonizada com a proposta conceitual da Mostra de Tiradentes, vai exibir títulos que integraram diferentes seções do evento em Minas.

Urutau, de Bernardo Cancella Nabuco, passou na Mostra Foco. É a versão, digamos, hard de O Quarto de Jack. Enquanto o longa norte-americano de Lenny Abrahamson trata seu tema forte de uma forma palatável para o público - e não foi por outro motivo que The Room foi para o Oscar, vencendo o prêmio de atriz para Brie Larsen -, a versão brasileira é muito mais intensa (e árdua). O protagonista é um garoto que foi sequestrado e é mantido em cárcere privado por um homem que abusa dele. Estabelece-se uma relação de dominador e dominado, com cenas de sexo quase explícitas, mas o jogo sofre reviravoltas inesperadas. O garoto possui suas artimanhas para subverter a ordem do cárcere. E ambos, dominador e dominado, são presas dos grilhões do afeto.

E não se pode esquecer de Andrea Tonacci. Completam-se dez anos de Serras da Desordem, que virou um marco do moderno documentário brasileiro (nas bordas da ficção). A odisseia de Carapiru, que sobrevive à chacina de sua tribo e deambula, solitário e incompreendido, pelo Brasil, é a expressão do tema ‘espaços em conflito’. Carapiru talvez seja o próprio Tonacci, um autor seminal do cinema dito marginal. Dele, o público poderá rever também Bang-Bang, Já Visto Jamais Visto e o curta Blá-Blá-Blá.

O risco da experimentação e o olho no que está dizendo a rua

Thiago B. Mendonça foi repórter do Caderno 2 antes de virar cineasta – e vencer a Mostra Aurora. É a nova cara do novíssimo cinema brasileiro.

O que representa a vitória de Jovens Infelizes na Mostra Aurora?

É a vitória de um cinema paulista coletivo, que difere daquele dos anos 1980 e 90. O filme investe na experimentação e, nesse sentido, mais que a vitória, foi emocionante o dia anterior, o da exibição. Estávamos arriscando tudo, não sabíamos qual seria a reação do público e ela foi calorosa.

E os espaços em conflito?

Na verdade, são dois. Temos o teatro e o cinema, e o filme é o primeiro resultado de um processo da nossa companhia de teatro, a Cia. do Terror. E existe esse espaço da rua, que o filme retrata e reflete. É importante debater a rua para evitar risco e a tentação do fascismo.

MOSTRA TIRADENTES/SP

Cinesesc. R. Augusta, 2.075, tel. 3087-0500. R$ 3,50/ R$ 12. Até 23/3. Abertura hoje, 16, às 20h, com entrada franca. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX