1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Morre o diretor francês Jacques Rivette aos 87 anos

- Atualizado: 29 Janeiro 2016 | 12h 53

Da geração de Godard e Truffaut, ele era um dos expoentes da 'nouvelle vague'

Para a atriz Anna Karina, ex-mulher de Jean-Luc Godard, Jacques Rivette foi um dos “mais livres e maiores inventores cineastas da nouvelle-vague.” E o próprio presidente François Hollande disse que ele foi um dos maiores diretores da França, “cuja obra fora dos padrões lhe valeu admiração internacional.” Rivette morreu na manhã desta sexta-feira, 29, em Paris. Sofria de Alzheimer.

Rivette tornou-se conhecido e admirado por filmes como Paris nos Pertence, A Religiosa (com Anna Karina) e A Bela Intrigante (com Emmanuelle Béart). Ex-crítico, pertencia à geração que revolucionou o cinema francês na segunda metade dos anos 1950. Como Godard, François Truffaut e Eric Rohmer, escrevia na Cahiers du Cinéma. Como o célebre artigo de Truffaut, contestando o cinema francês de qualidade, causou repercussão, na época, o texto que chamou De la Abjéction.

Jacques Rivette, em 2009
Jacques Rivette, em 2009
O que causava abjeção em Rivette era o travelling (movimento de câmera) do cineasta italiano Gillo Pontecorvo em direção a Emmanuelle Riva numa cena decisiva de Kapò, de 1960. A personagem era uma mulher judia internada num campo de concentração dos nazistas. Lançava-se contra a câmera eletrificada. O plano plástico buscava sua mão estendida, detalhe que Rivette considerou imoral. A nouvelle vague, diziam seus autores, era uma questão de travelling (um cinema da liberdade). E o travelling, uma questão moral.

Você encontra o texto de Rivette na internet. E também seus desdobramentos, inclusive outro texto famoso do crítico Serge Daney retomando o debate. Rivette demorou muito para concluir Paris Nos Pertence, sobre garota que integra grupo de teatro numa montagem de Shakespeare. A Religiosa, adaptado de Diderot, teve problemas com a censura (na França!) e permaneceu anos proibido. A Bela Intrigante, adaptado de histórias curtas de Honoré de Balzac e Henry James, é sobre um velho artista que retoma quadro inacabado, submetendo sua modelo (Emmanuelle Béart, esplendorosamente nua) a posições incômodas e situações de dominação.

Filmes como Paris nos Pertence e A Bela Intrigante dissecam o processo criativo. São longos (mais de quatro horas cada). Em 2007, apresentou em Berlim o que talvez seja seu mais belo filme, Ne Touchez Pas la Hache, adaptado de A Duquesa de Langeais, de Balzac. O general De Montriveau reencontra num convento, numa ilha espanhola, a mulher que amou no passado. A narrativa retrocede cinco anos. É um filme romanesco, suntuosamente narrado, sobre maquinações políticas e a natureza do desejo, que tanto atraía Rivette. Jeanne Balibar e Guillaume Depardieu são magníficos. Ele, filho de Gerard Depardieu, tinha uma relação estremecida com o pai. Morreu prematuramente, de uma pneumonia, no ano seguinte (2008).

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX