1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Morre o cineasta polonês Andrzej Zulawski

- Atualizado: 17 Fevereiro 2016 | 18h 13

Entre seus filmes, 'O importante É Amar' e 'A Mulher Pública'

Morreu na quarta, dia 17, aos 75 anos, o cineasta polonês Andrzej Zulawski, conhecido pelos filmes que fez na França, em especial Possessão, com Isabelle Adjani. O diretor sofria de câncer. A notícia da morte foi confirmada pela Associação de Cineastas Poloneses.

Natural da Polônia, Zulawski estudou no Idhec, em Paris, e voltou à sua terra natal para ser assistente de Andrzej Wajda. Estreia com um filme sobre a guerra e outro, Diabo, já com tonalidades fantásticas que caracterizariam sua obra. Fugindo à censura do governo polonês, volta à França onde passa a trabalhar. Fez seu nome com filmes de uma radical beleza, como O Importante É Amar (1974) e Possessão (1980), este com uma sensual Isabelle Adjani.

Casado com a atriz Sophie Marceau, com quem teve um filho, Zulawski dedicou à mulher quatro filmes, dos quais se destacam L’Amour Braque (1985) e Fidelidade (1999), um poema de amor louco em versão cinematográfica. Outro título bem recebido foi Minhas Noites São Mais Belas Que Seus Dias (1989). Seu último filme, Cosmo (2014), é pouco conhecido no Brasil.

Diretor de filmes como 'O Importante É Amar', Andrzej Zulawski morre aos 75 anos
Diretor de filmes como 'O Importante É Amar', Andrzej Zulawski morre aos 75 anos

Uma carreira irregular não significa fracasso. Apenas falta de continuidade, o que às vezes acontece com os maiores talentos dentro da indústria cinematográfica. Os pontos altos de Zulawski o colocam na história do cinema, que, esta, nada tem a ver com a indústria. Fica como cineasta artífice de um erotismo profundo, porém nada vulgar. Vale rever Possessão, talvez sua obra mais bem-sucedida. E vale, não apenas por Adjani.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX