1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Massacre de Ruanda é filmado por sobreviventes

Agencia Estado

02 Agosto 2004 | 19h 24

Shooting Dogs ("Atirando em Cães", em tradução livre), um filme sobre o genocídio em Ruanda em 1994, começou a ser rodado na capital do país, Kigali. O ator John Hurt será um dos protagonistas e no elenco e produção há sobreviventes da matança. Em uma das cenas, uma fileira de soldados de paz das ONU retém centenas de tutsis desesperados para encontrar lugar em caminhões. Enquanto isso, milicianos hutus aguardam nas proximidades, afiando seus facões. Os motores dos caminhões são ligados mas apenas brancos têm permissão para entrar. O pânico se espalha pela multidão na iminência de ser deixada para trás. Aterrorizados com o que os espera, alguns deles tentam deitar na frente dos caminhões. Outros imploram aos soldados da ONU que os matem antes de ir embora. Esses eventos estão sendo recriados em detalhes para Shooting Dogs, mas eles aconteceram de fato em uma escola em Kigali há dez anos. É um drama envolvente que retrata o fracasso da comunidade internacional em intervir para parar a matança em 1994, através da história de dois europeus no país. Joe é um professor jovem e idealista, estrelado pelo ator Hugh Dancy, que fez o filme Rei Arthur. O padre Christopher é um sacerdote idoso, retratado pelo ator veterano John Hurt. "Ele se vê freqüentemente enfrentando situações impossíveis. Mas a única coisa que ele sempre sente é que mantém a esperança", disse Hurt sobre seu personagem. "Mas quando as freiras para quem ele reza missa todas as semanas são estupradas e assassinadas, é mais do que ele pode agüentar. E aparece uma oportunidade para escapar." O padre Christopher e Joe precisam decidir se partem com as tropas da ONU ou se ficam com seus alunos e amigos ruandeses e enfrentam uma morte horrenda. Cenário da matança é o mesmo - O diretor Michael Caton-Jones Escândalo (1989) diz que é importante que Shooting Dogs seja filmado na escola onde a matança aconteceu. "Esta é uma oportunidade para que eu utilize as pessoas que estavam realmente envolvidas na história que estamos tentando contar." Os tutsis se reuniram junto à escola, esperando que os soldados belgas da ONU estacionados lá os salvassem. Em vez disso, eles foram abandonados e mais de 2 mil foram massacrados. Mas Canton-Jones admite que a filmagem também é dolorosa para os ruandeses envolvidos no filme. Isso é o equivalente a fazer um filme sobre o holocausto ocorrido em Auschwitz com sobreviventes de Auschwitz, quase imediatamente depois do que aconteceu lá", compara. O mundo deve saber o que aconteceu - Venuste Karasira é um dos poucos que escaparam do massacre, há dez anos. Ele diz que algumas pessoas podem sentir o trauma ao reviver a cena, mas quer que "o mundo inteiro saiba o que aconteceu em Ruanda". John Hurt não quis se envolver no início. "Sempre fui um pouco cético em relação a filmes sobre desastres baseados em fatos reais", explica. "Se houvesse o mais leve indício de que isso estava sendo feito por sensacionalismo, eu não teria participado." Apesar da presença de tropas da ONU, cerca de 800 mil pessoas, a maioria tutsis, foram massacrados em apenas cem dias. Shooting Dogs, tem o apoio da BBC Films e do Conselho Cinematográfico da Grã-Bretanha e é um dos filmes produzidos neste ano sobre o genocídio. A produção deverá entrar em cartaz no ano que vem.

  • Tags:

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo