REUTERS/Dylan Martinez
REUTERS/Dylan Martinez

Mark Wahlberg lidera lista Forbes de atores mais bem pagos de 2017

Wahlberg, de 46 anos, milhões de dólares neste ano graças aos filmes 'Pai em Dose Dupla 2' e 'Transformers: O Último Cavaleiro'

O Estado de S.Paulo

22 Agosto 2017 | 18h18

Mark Wahlberg chegou ao topo da lista de atores mais bem pagos de 2017 compilada anualmente pela revista Forbes, que ressaltou a grande disparidade entre astros e estrelas de Hollywood.

Wahlberg, de 46 anos, ganhou estimados 68 milhões de dólares neste ano graças aos filmes "Pai em Dose Dupla 2" e "Transformers: O Último Cavaleiro", de acordo com o ranking da Forbes divulgado nesta terça-feira.

O rapper que virou ator empurrou Dwayne "The Rock" Johnson, líder de 2016, para a segunda posição – este ano ganhou aproximados 65 milhões de dólares.

A Forbes calcula a renda de filmes, televisão e patrocínios antes do pagamento de impostos e taxas de agenciamento.

A lista voltou a sublinhar a diferença de remuneração entre os gêneros. Na semana passada a revista apontou Emma Stone, vencedora do Oscar de melhor atriz por "La La Land – Cantando Canções" como a atriz mais bem paga do mundo neste ano com uma soma avaliada em 26 milhões de dólares.

A Forbes disse que os 10 atores mais bem pagos lucraram um valor somado de 488,5 milhões de dólares antes dos impostos no período de junho de 2016 a junho de 2017 – quase três vezes mais do que os 172,5 milhões de dólares recebidos pelas 10 atrizes mais bem pagas.

A publicação atribui a disparidade à predominância de filmes de super-heróis e de ação, que rendem grandes bilheterias aos estúdios de Hollywood, mas tendem a ter menos papéis para protagonistas do sexo feminino.

Johnny Depp, astro da franquia "Piratas do Caribe" que passou anos entre os cinco atores mais bem remunerados, não ficou sequer entre os 20 mais neste ano, disse a Forbes. Atualmente Depp está envolvido em um processo com seus ex-gerentes de negócios, que detalharam o que descrevem como hábitos de consumo extravagantes.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.