1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Mariana Ximenes estrela 'Zoom' e 'O Grande Circo Místico' nos cinemas

- Atualizado: 28 Março 2016 | 05h 00

Agenda da atriz também está cheia na TV

Na última semana, ela inundou as redes sociais com uma mensagem – ‘Não se esqueçam de Mariana’. Falando diretamente para a câmera, Mariana Ximenes apresenta imagens dos danos causados pelo rompimento da barragem em Mariana, interior de Minas. São imagens de destruição e morte. Uma Mariana pede que a gente não se esqueça da outra. No Brasil tão polarizado pela pressão social, Mariana, a cidade, com seu sofrimento, suas vítimas, realmente corre o risco de ser relegada a segundo plano. Não se esqueçam.

Mariana, a atriz, adorou o roteiro de Zoom, quando lhe foi enviado pelo diretor Pedro Morelli. Sua personagem é uma modelo que resolve escrever um livro, mas não tem muito apoio do marido. Ela se isola numa praia, tem um affair com a dona da pousada, interpretada por Claudia Ohana. Mariana não tem o menor pudor, o menor problema em interpretar cenas de sexo, sejam hétero ou homo. “O que importa é a personagem. E a história. Sou uma atriz com uma disponibilidade muito grande. Uma vez que estou na pele da personagem, faço o que for preciso. As cenas com Claudia foram tranquilas. Foi como se ela fosse um homem.”

 
 
Muito mais difíceis – mas Mariana adorou fazer – são as cenas do desfecho, quando a personagem se joga do avião atrás do livro cujas folhas vão sendo levadas pelo vento. “Olha aqui o muque, querido, não é para qualquer uma, não.” E Mariana, elegantérrima, num vestido que ostenta generoso decote, mostra os músculos sarados do braço para o repórter. Aquilo que o espectador vê na tela é um efeito. Na verdade, Mariana estava suspensa por cabos. Eventualmente, tinha de se segurar neles. “Não tenho problemas com altura, mas fiz uma preparação.” O muque foi mais necessário em outro filme, O Grande Circo Místico, de Cacá Diegues, que ela filmou em Portugal. “O Circo acompanha um século da vida de uma família num circo. Faço a trapezista. Lá, sim, a preparação foi intensa para os números de trapézio.”

E ela anda feliz da vida com sua carreira no cinema. Zoom – Realidade Virtual estreia na quinta, 31, em 100 salas de todo o Brasil. O Grande Circo pleiteia uma vaga para representar o Brasil no Festival de Cannes, em maio. A seleção será anunciada em abril. Cacá deve ser o diretor brasileiro que mais vezes participou do festival de Cannes, em diferentes seções, e em concurso ou não. Zoom participou da mostra Vanguarda no Festival de Toronto do ano passado.

O filme conta as histórias de três diferentes personagens como se um estivesse vivendo a situação construída pelo outro. O subtítulo brasileiro – Realidade Virtual – aponta para esse caráter ficcional dentro da própria ficção. Mistura animação e live action. Toda a parte de animação foi feita na O2, com o suporte de artistas e técnicos canadenses de ponta. O resultado não é para todos os gostos, mas o público ligado em HQs poderá se divertir com a trama em que Alison Pill imagina o homem ideal, e o desenha. Gael García Bernal faz o papel – de um cineasta superconceituado e ‘womanizer’, pegador. O problema, e põe problema nisso, é que seu pênis de repente reduz-se a proporções liliputianas.

“O filme é pródigo nessas situações que não são realistas e que exigem a forma criada pelo Pedro. Eu gostei.” Além do filme que estreia quinta e do outro que muito provavelmente irá para o segundo semestre – depois de Cannes, participando, é o que todos esperamos, ou não da seleção –, Mariana também tem pronto o novo Ruy Guerra, Quase Memória, que o cineasta adaptou do romance de Carlos Heitor Cony. “Ruy e Cacá são nomes históricos do Cinema Novo, Pedro é um jovem autor, mas vou dizer – esses caras não têm idade quando filmam. O Ruy é um gênio. Sabe aquilo que dizem, que determinados cineastas têm o filme na cabeça? Ele é assim, impressionante. E o Cacá é gente fina pra caramba. Cria uma harmonia no set que deixa o trabalho muito gostoso.” Cinema, cinema. Mas Mariana – seu nome é trabalho – está com a agenda lotada também na televisão. Ela fez a minissérie Supermax, de José Alvarenga Jr., que será apresentada na faixa dos onze.

“É um projeto superinteressante e que acho que vai repercutir bastante. A ideia é do Zé (Alvarenga) e foi desenvolvida por ele, que participou da escrita com um monte de gente bacana do cinema. Marçal Aquino, Fernando Bonassi, Carolina Kotcho. É um reality show que se passa num presídio no meio da selva. Inclusive, o Pedro Bial está no elenco, com a gente, fazendo o papel dele. Na ficção, a emissora cancela o programa, mas os participantes não ficam sabendo e seguem confinados. Começam a ocorrer coisas estranhíssimas. Eu faço uma espécie de enfermeira que trabalha no hospital do presídio. A pegada é de gênero, terror. Menino, acho que vai mexer com o público. Cléo Pìres também está no elenco. Fica atento que vai ser bom.”

 
 
Haja coração para tanta emoção – ops, justamente Haja Coração é o título da próxima novela de que Mariana vai participar, na Globo. A atração vai ser apresentada na faixa das 7, substituindo Totalmente Demais, e o autor é Daniel Ortiz. “O Daniel também é jovem, mas tem uma história incrível. Trabalhou na Anistia Internacional, em Londres, e escreveu novelas no México e nos Emirados Árabes.”

Não é por nada, não, mas, se nos últimos tempos, você foi a uma feira da Mooca e achou aquela feirante muito parecida com a estrela global, bem, era Mariana. “Já fui muito à feira, trabalhei como feirante, tudo como parte do laboratório para a personagem.” E que personagem é essa? “Anos atrás, a Claudia Raia fez grande sucesso como Tancinha numa novela de Silvio de Abreu, Sassaricando. Haja Coração não é exatamente um remake de Sassaricando, mas pega algumas personagens e as lança numa nova história. Vou estar num triângulo com João Baldasserini e Malvino Salvador.” E ela brinca - “Vou deixar a mulherada louca de inveja”. E Mariana ri, gostoso. Impossível alguém se esquecer dessa mulher.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX