Márcio Garcia dubla patinho em 'Putz! A Coisa Tá Feia'

Apresentador faz o personagem Feio adulto; roteiro é baseado em conto clássico infantil 'O Patinho Feio'

Alysson Oliveira, da Reuters

07 Outubro 2005 | 12h40

Com roteiro baseado no conto clássico O Patinho Feio, de Hans Christian Andersen, estréia em todo o país nesta sexta-feira, 5, a animação infantil Putz! A Coisa Tá Feia, em 120 salas, apenas em cópias dubladas. O desenho dinamarquês tem direção de Karsten Kiilerich e Michael Hegner, de Mamãe, Virei um Peixe!, exibido em 2003 no Brasil.   A dublagem brasileira conta com o apresentador Márcio Garcia fazendo a voz de Feio adulto, a atriz Larissa Queiroz (da novela Paraíso Tropical) dubla Phyllis e Tadeu Mello, que já dublou o personagem Sid na animação A Era do Gelo, empresta a voz a Ratso.   Feio, o personagem principal, é um patinho desajeitado que pensa que seu pai é um camundongo esperto, chamado Ratso. O roedor pensa em explorar o aspecto estranho da criatura e ganhar dinheiro com isso. Com o tempo, ele se acostuma com a nova missão e passa a criar a ave - ou melhor, tenta criar.   Ratso é atrapalhado demais para qualquer tarefa, mas não hesita em dividir seus conhecimentos sobre o mundo com seu novo "filhote". Embora não saiba qual é a melhor maneira de sobreviver, o animal tenta ensinar a Feio como viver sozinho.   Como Feio é um patinho muito ingênuo, está sempre se envolvendo em confusões e sendo decepcionado pelos outros animais. Conforme vai crescendo, o corpo e a voz do pato vão mudando. Ele acredita que poderá fazer sucesso no mundo dos espetáculos ao lado de Jesse, o amor de sua vida.   Em sua trajetória, Feio vai encontrando com personagens divertidos e bizarros, como o verme Wesley, que é um ator insatisfeito.   Com um orçamento de 5,6 milhões de euros (R$ 14,3 milhões), a animação faz uma releitura da história clássica. No início, a empresa produtora chegou a pensar em fazer um filme com animais de verdade, como Babe, o Porquinho. Depois, desistiram para realizar esta animação em 3D.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.