1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Kirsten Dunst, a missão de uma mãe

- Atualizado: 26 Março 2016 | 18h 01

Em ‘Midnight Special’, a atriz é Sarah, que luta para encontrar o filho

Faz 14 anos que Kirsten Dunst participou de um dos mais famosos beijos de todos os tempos: o beijo “180 graus” entre Mary Jan Watson (Kirsten) e, de cabeça para baixo, o Homem-Aranha (Tobey Maguire) em Homem-Aranha (2002). Ela apareceria ainda em dois outros blockbusters da franquia Homem-Aranha. Mas Kirsten, que em 30 de abril faz 34 anos e atua desde os 6, não é, na verdade, uma atriz das que levam multidões ao cinema. 

Depois de Homem-Aranha 3, ela é vista principalmente em filmes indies, como Entre Segredos e Mentiras (2010), Melancolia (2011) e As Duas Faces de Janeiro (2014). No entanto, há os que ainda lembram dela como a garota dos filmes do Homem-Aranha e de sucessos iniciais como Jumanji (1995) e Teenagers – As Apimentadas (2000). Se não fosse pelo namorado, o ator Garrett Hedlund, talvez não coestrelasse Midnight Special, o novo thriller, aplaudido pela crítica, de Jeff Nichols, diretor de O Abrigo (2011) e Amor Bandido (2012), que estreia no dia 1.º de abril com distribuição limitada.

A atriz Kirsten Dunst, que está no filme de Jeff Nichols
A atriz Kirsten Dunst, que está no filme de Jeff Nichols

“Vivo em Austin e não ando muito com estrelas”, explicou Nichols. “Uma noite, encontrei o namorado de Kirsten, falamos sobre o filme e ele disse que Kirsten tinha adorado meu filme Amor Bandido e que talvez ela fosse a escolha certa para esse novo longa.” Mas um papo com Kirsten, mais tarde, não seduziu o diretor. “Todo mundo diz que gosta de nossos filmes, é muito gentil. Mas isso não quer dizer que ela fosse a atriz perfeita para o papel.”  Percebendo que a coisa não estava andando, Kirsten Dunst recorreu a medidas mais drásticas. “Ela me mandou um teipe”, contou Nichols. “Mesmo sendo uma grande estrela, fez um teipe. Amarrou o cabelo para trás e não usou maquiagem. Estava de cara limpa, verdadeira, e foi o que me pegou”, confessou o diretor.

Kirsten bebericava seu café na manhã gelada em um hotel de Manhattan. Do tipo mignon, usava um vestido preto tricotado e tinha o cabelo loiro curto de sempre. Midnight Special centra-se num pai (Michael Shannon) e seu filho (Jaeden Lieberher), que, de repente, se veem fugindo por causa de certos poderes que o garoto tem. 

Kirsten é Sarah, mãe do menino, que entra e sai da vida do garoto enquanto ele e o pai tentam enganar sequestradores, fanáticos religiosos e agentes do governo. “É um filme especial”, contou Kirsten. “Além do que, sou a maior fã dos filmes de Jeff. Gosto tanto de O Abrigo que nem precisei ler o roteiro de Midnight Special para saber que queria trabalhar com ele.” É fácil saber as motivações do personagem de Shannon, impulsionado pela necessidade vital de proteger o filho.

Sarah é mais complicada, mas Kirsten não teve problema em compreender a personagem. “Sarah já tinha passado por algo traumático quando aparece”, explicou a atriz. “Fazia dois anos que não estava com o filho. Não podia chamar a polícia e dizer que o garoto tinha poderes especiais e estava desaparecido”, lembrou.

“Não é, de modo algum, o filme mais confortável que Kirsten já fez. “Estávamos em fuga, o que significou passar muito tempo num carro abafado com Jaeden, Michael e Joel Edgerton”, comentou a atriz, rindo. “Lembro que, depois de alguns dias, o chão do carro estava forrado de snacks e embalagens. No quinto dia, era impossível contar quantos.” Sim, é ela em pessoa no carro em pelo menos algumas das cenas de perseguição. “Michael Shannon é capaz de lances ousados no volante”, acusou Kirsten.

Midnight Special não é em princípio uma história de ficção científica, mas sugere que exista mais vida no universo do que o que vemos em volta. Kirsten, por seu lado, acredita nisso. “Sempre achei que existe mais vida. É um universo muito grande e acredito que lá fora haja alguma coisa mais. O filme é sobre como as pessoas reagem quando algo diferente acontece. Alguns podem fazer uma análise científica do menino, dissecá-lo. Outros, levados pela fé, gostariam de abraçá-lo. Outros podem se apavorar com ele”, revelou ela. “Gostei de que a conclusão de Jeff não tenha sido negativa, o que é confortador num filme de ficção científica.”

Jaeden Lieberher, de 13 anos, garantiu ter curtido o tempo que passou no carro com Kirsten. “Adorei tê-la como mãe”, falou ele numa entrevista à parte. “Ela é doce e, ao mesmo tempo, muito real. Nem mesmo age como atriz. É só uma pessoa engraçada com quem se quer passear no set. Antes de ser escalado como seu filho, eu a conhecia do Homem-Aranha. Também a vi em Entrevista com o Vampiro (1994). É uma grande atriz que pode fazer qualquer coisa”, ressaltou também. 

Kirsten consegue se identificar com um ator infantil, pois ela mesma é atriz desde a infância. Cresceu em Point Pleasant, New Jersey, e, aos 3 anos, já fazia comerciais de televisão. Aos 6, debutou no cinema em Contos de Nova York, de Woody Allen (1989). Continuou trabalhando em filmes e na TV, incluindo A Fogueira das Vaidades (1990) e Jornada nas Estrelas – A Nova Geração (1993). Mas só viria a “estourar” em 1994, como uma menina vampira em Entrevista com o Vampiro. A maioria dos críticos achou que ela “roubou” o filme dos astros Tom Cruise e Brad Pitt.

Depois de papéis infantis em Adoráveis Mulheres (1994), Jumanji e Mera Coincidência (1997), Kirsten passou a papéis adolescentes em Todas as Garotas do Presidente (1999), As Virgens Suicidas (1999) e o surpreendente hit Teenagers – As Apimentadas. Em 2002, fez seu primeiro papel adulto em Homem-Aranha. O sucesso do filme levou-a ao estrelado. Desde essa época, sua carreira vem tendo altos e baixos. Tudo Acontece em Elizabethtown, de Cameron Crowe (2005), e Maria Antonieta, de Sofia Copolla (2006), não foram bem nem na bilheteria nem na crítica, mas Kirsten foi muito incensada e ganhou o prêmio de melhor atriz no Festival de Cannes – por seu desempenho em Melancolia (2011). 

Em 2008, na esteira de vários filmes que desapontaram, ela entrou em uma reabilitação por depressão, que atribuiu a estar “viciada em elogios”. “Atuar é um trabalho duro”, diz a atriz. “É preciso suportar críticas que doem muito e, por honra da profissão, continuar sensível e mantendo seus sentimentos. Mas aprendi que você pode apenas ser você mesma”, acrescentou a atriz. / TRADUÇÃO DE ROBERTO MUNIZ 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX