1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: 'Juventude' reflete arte e vida no tempo que se perde

- Atualizado: 30 Março 2016 | 09h 59

Sorrentino herdou de Federico Fellini o gosto pelas imagens bizarras

Comparado a um comercial de 124 minutos (sua duração) dos relógios Rolex. Vai nisso certa maldade. Os relógios quase não aparecem, mas o tempo é fundamental. Ao contrário do que anuncia o título, Youth/Juventude, o filme é sobre gente velha. Artistas ricos num spa de luxo. Todos, ou quase todos, em busca da eterna juventude.

Sorrentino herdou de Federico Fellini o gosto pelas imagens bizarras. Enche a tela de gente feia em trajes sumários. A imagem que ilustra o texto, os hóspedes tostando-se na piscina, é emblemática. Quem é essa gente? Você vai ver que a maioria não importa, só está ali para fazer figuração visual. Mas talvez a ‘giovinezza’ do título tenha outro significado no imaginário do diretor. Seu grandioso e, às vezes, comercial não é vazio porque, na verdade, o culto da juventude embutido no título é um conceito fascista contra o qual Sorrentino está se insurgindo. Mussolini vivia fazendo o elogio da gioninezza. E hoje, juventude, sucesso, riqueza. Abaixo a celebridade.

A Grande Beleza já tinha um pouco disso na figura de Toni Servillo como novo árbitro da elegância numa Roma decadente como a de Fellini em A Doce Vida, meio século atrás. Servillo já era assombrado por fantasias que remetiam à brevidade da vida e ao medo da morte. Sua criatividade esgotara-se. Um livro lhe garantira a celebridade e, depois disso, tornara-se parasita de si mesmo. Temos agora os dois velhos. Michael Caine é o compositor que ousou dizer não à rainha e agora correm atrás dele para que realize um hipotético concerto no Palácio de Buckingham. Internamente, é perseguido pelas lembranças de quando estava à frente da Orquestra Sinfônica de Veneza. Harvey Keitel é um velho cineasta que sonha realizar seu canto do cisne, mas, para isso, precisa do aval de sua antiga estrela, Jane Fonda.

Cena de 'Juventude'
Cena de 'Juventude'

Caine e Keitel são velhos amigos e, para selar ainda mais a amizade, a filha do primeiro (Rachel Weisz) é casada com o filho do segundo. O casamento não anda bem, mas isso não conta mais que o astro hollywoodiano (Paul Dano) com quem Caine e Keitel entretêm conversas sem muito sentido nem com a sexy Miss Universo que se despe para compartilhar a piscina com eles. O sentido de tudo isso é a certeza de que nada é para sempre - nem a arte, que parece escapar aos personagens de Caine e Keitel. Como um sub-Fellini em Oito e Meio, Keitel revê em sonhos as mulheres de sua vida. É tão patético quanto as evocações priápicas dos dois amigos - tipo ‘nós que fomos tão potentes’, na arte como na vida. Juventude tem elementos para encher os olhos, mas é claramente uma obra (ainda) menor em relação a A Grande Beleza, que já não era tudo aquilo. O problema de Sorrentino talvez nem seja a repetição - Fellini também se repetia -, mas a autoindulgência, em relação a si mesmo e a seus personagens.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX