AFP
AFP

Justiça francesa decide em 15 de junho o destino do filme 'Dom Quixote', de Terry Gilliam

O conflito envolve o diretor norte-americano e o produtor português Paulo Branco e o projeto do longa já dura 18 anos

AFP

04 Abril 2018 | 22h53

A Justiça francesa decidirá em 15 de junho o destino do filme O Homem Que Matou Dom Quixote, que, por enquanto, não pode estrear devido a um desacordo entre o diretor norte-americano Terry Gilliam e um produtor. Gilliam integrou a trupe inglesa de comédia Monty Python.

O Tribunal de Apelação de Paris realizou nesta quarta-feira uma audiência sobre o filme, um projeto que foi enterrado e ressuscitado em várias ocasiões ao longo de 18 anos.

O conflito judicial envolve Gilliam, de 77 anos, e o produtor português Paulo Branco, que comprou seus direitos de autor-diretor, através de sua empresa Alfama Films, baseada na França.

+++ Terry Gilliam termina de filmar seu 'Dom Quixote'

Em troca, Branco tinha se comprometido, entre outras coisas, a manter a data da filmagem em outubro de 2016 e a respeitar as decisões artísticas de Gilliam.

Mas durante a pré-produção, os muitos desacordos entre ambos levaram o produtor a suspender o início das filmagens.

Gilliam então procurou a produtora espanhola Tornasol, e com ela filmou o longa-metragem entre março e junho de 2017, na Espanha e Portugal.

Entretanto, o diretor lançou um procedimento ante a Justiça francesa para anular o contrato de cessão de seus direitos em favor de Branco.

Mas em 19 de maio de 2017, um tribunal de Paris se pronunciou em primeira instância em favor do produtor, embora tenha rejeitado seu pedido de parar as filmagens.

+++ Procura-se Miguel de Cervantes

"Branco emprega toda a sua energia e seu tempo em impedir que este filme seja visto", lamentou nesta quarta-feira o cineasta para a imprensa.

"Suas petições são ridículas (...) Tenta arrecadar o máximo com um filme que não produziu", acrescentou Gilliam, afirmando que Branco lhe pede uma compensação de 3,5 milhões de euros.

"É absolutamente falso, as decisões que devem ser tomadas sobre as quantias serão definidas evidentemente em uma mesa de negociação", replicou Branco, que afirma que esse filme com custo de "17 milhões de euros foi filmado de forma ilegal".

Este episódio judicial prolonga um pouco mais a "maldição" que atinge há quase duas décadas O Homem Que Matou Dom Quixote.

Em 2000, Gilliam teve que interromper a filmagem de sua adaptação livre da célebre obra de Miguel de Cervantes, com Jean Rochefort, Johnny Depp e Vanessa Paradis, devido a uma série de infortúnios, como inundações no set de gravação e uma hérnia de disco sofrida pelo já falecido ator francês.

Ele tentou ressuscitar o projeto em várias ocasiões, deparando-se com a falta de financiamento, até conseguir filmar o longa no ano passado.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.