Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Harrison Ford: 75 anos de um mito incansável

Relembre a trajetória do ator, que nasceu no dia 13 de julho de 1942 e trabalhou como carpinteiro antes de chegar a Hollywood

Antonio Martín Guirado, EFE

13 Julho 2017 | 10h04

Los Angeles - Gênio e estrela até o fim. Harrison Ford completa 75 anos nesta quinta-feira, 13, a menos de três meses do lançamento da sequência de Blade Runner e pronto para rodar o quinto Indiana Jones, tudo isso depois de reviver com enorme sucesso o papel de Han Solo em Star Wars.

“Quero fazer tudo. Quero aproveitar toda oportunidade que me aparecer. Tive uma grande carreira e, se tem uma coisa que me impede de deitar sobre os louros da glória, essa coisa é o trabalho. Não quero parar”, disse o ator em uma entrevista em 2013. Naquela data, ele ainda não tinha confirmado se estaria em O Despertar da Força, sétimo episódio de Star Wars, nem se voltaria a interpretar o mítico arqueólogo de chapéu e chicote sob o comando de Steven Spielberg.

Mas o desejo de Ford é uma ordem para Hollywood. Dois anos depois daquela entrevista, já apresentando O Despertar da Força (terceira maior bilheteria da história), o ator falou sobre a continuação de Blade Runner, dirigido pelo canadense Denis Villenueve: ‘É um roteiro muito bom. Sinceramente, não esperava essa sequência, mas é uma continuação muito bem pensada”.

Blade Runner 2049 será lançado em 6 de outubro e, embora quase não haja detalhes sobre a história, o produtor Ridley Scott garantiu que uma das grandes questões da ficção científica - Rick Deckard, personagem de Ford, é replicante ou não? - finalmente terá resposta. “De um jeito ou de outro, teremos uma revelação”, afirmou ele ao portal IGN.

Indiana Jones 5, ainda sem título oficial, ficou para depois e deve chegar às salas de cinema em 10 de julho de 2020, quase um ano depois do previsto, pois sua estreia fora anunciada para 19 de julho de 2019.

Os filmes anteriores da franquia foram Os Caçadores da Arca Perdida (1981), Indiana Jones e o Templo da Perdição (1984), Indiana Jones e a Última Cruzada (1989) e Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008). Esses filmes arrecadaram um total de US$ 2 bilhões nos cinemas.

Kathleen Kennedy (presidente da Lucasfilm) e seu marido, Frank Marshall (O Sexto Sentido, Jurassic World, a saga Jason Bourne), serão os produtores desse novo filme.

A imersão crepuscular de Ford em seus personagens clássicos começou depois de mais de uma década de projetos fracassados (Cowboys e Aliens, Paranoia) ou que passaram praticamente despercebidos (Divisão de Homicídios, Firewall, Território Restrito).

Nesse período também ocorreu o lançamento de Indiana Jones e o Reino da Caveira de Cristal (2008), filme mais criticado da franquia, mas também o mais lucrativo, somando quase 800 milhões de dólares no mundo todo.

Ford será quase octogenário quando a quinta parte dessa história chegar aos cinemas e, até agora, não se sabe se Indy continuará sendo, a duras penas, um herói de ação, ou se passará a um segundo plano, com falas sábias e irônicas como as de Sean Connery no terceiro filme.

“Harrison Ford pode encarnar Indiana Jones até os 90”, disse Steven Spielberg em 2011.

Seja como for, o ator sabe que seu legado estará para sempre ligado ao cinema de ação e aventura, um gênero ao qual chegou por acaso, quando conheceu George Lucas durante os testes para Star Wars, enquanto ainda trabalhava como carpinteiro.

Em meados da década de 1980 e começo dos anos 90, Ford assinou algumas de suas melhores atuações em obras como A Testemunha (pela qual recebeu uma indicação ao Oscar), Acima de Qualquer Suspeita, Uma Segunda Chance e O Fugitivo. Mas seu objetivo sempre foi conquistar o público, e isso aconteceu enquanto ele vivia o agente da CIA Jack Ryan (Jogos Patrióticos e Perigo Real e Imediato) ou combatia terroristas russos na pele do presidente dos Estados Unidos (Força Aérea Um).

Enquanto isso, na vida pessoal, Ford aproveitava a família nas montanhas de Wyoming e também nos céus - não sem alguns sobressaltos, apesar de ser um piloto experiente e amante da aviação.

Em fevereiro, Ford aterrissou na pista errada e passou por cima de um avião de passageiros em Orange County. Em 2015, tinha caído em um campo de golfe vizinho ao aeroporto de Santa Mônica, o que causou fraturas no tornozelo e na pélvis. “Meu amor pelo céu é muito maior que qualquer susto”, disse ele depois do incidente.

TRADUÇÃO DE RENATO PRELORENTZOU

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.