Adrees Latif/Reuters
Adrees Latif/Reuters

Filme '1984' baseado em livro de Orwell volta aos cinemas nos EUA

O longa está sendo exibido em 200 salas independentes americanas como um manifesto contra o governo do presidente Donald Trump

Melissa Fares, Reuters

05 Abril 2017 | 11h56

Quase 200 salas independentes de cinema nos Estados Unidos estão exibindo o filme baseado no romance 1984, de George Orwell, sobre um futuro distópico, no que os organizadores dizem ser um manifesto contra o governo do presidente dos EUA, Donald Trump.

O livro de 1949, que retornou à lista de best-sellers dos EUA em janeiro, apresenta um governo "Big Brother" que espia seus cidadãos e os força a "pensar duas vezes", ou simultaneamente aceitar versões contraditórias da verdade.

Os organizadores do United State of Cinema disseram que as exibições foram organizadas para "defender os nossos valores mais básicos: a liberdade de expressão, o respeito pelos nossos semelhantes e a simples verdade de que não existem fatos alternativos".

O romance britânico foi reimpresso em janeiro, décadas depois de ter sido escrito, depois que o governo Trump defendeu "fatos alternativos", um termo que a funcionária da Casa Branca Kellyanne Conway usou durante uma polêmica sobre o tamanho da multidão na posse de Trump.

Adam Birnbaum, diretor de Programação de Cinema do Avon Theater Film Center em Stamford, Connecticut, e co-organizador do evento, disse que os temas de Orwell são tão relevantes hoje como eram há quase 70 anos.

O filme, feito em 1984 e estrelado por John Hurt e Richard Burton, será exibido em 44 Estados. Também será mostrado em cinco locais no Canadá, um na Inglaterra, um na Suécia e um na Croácia.

Birnbaum, que passou a exibir o filme no Avon Theater Film Center, disse que vários dos cinemas têm programado discussões após a exibição do filme.

"Pelo, esperamos que as pessoas continuem a ser vozes de oposição a algumas das práticas que estão sendo empregadas atualmente pelo governo", disse ele.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.