Christian Charisius - 2008
Christian Charisius - 2008

Filho de Richard Dreyfuss acusa Kevin Spacey de assédio sexual

'O que me machuca sobre Kevin foi o quão seguro ele estava', relembra

EFE

06 Novembro 2017 | 16h06

Não deve estar sendo fácil ser Kevin Spacey nessas últimas semanas. Dando sequência a um amontoado de declarações incriminantes, o ator Harry Dreyfuss também acusou Kevin Spacey de ter tocado nele na frente de seu pai, o também ator Richard Dreyfuss, que não percebeu o que acontecia.

O episódio aconteceu quando o jovem, atualmente com 27 anos, foi visitar seu pai em Londres. Em uma longa carta enviada ao Buzzfeed, ele relembra da noite do ocorrido. Na época, seu pai participava da peça "Complicit", dirigida por Spacey. 

Netflix rompe com Kevin Spacey e personagem deve morrer em 'House of Cards'

Polícia britânica investiga denúncia de assédio sexual contra Kevin Spacey

+ Banco holandês cancela participação de Spacey em congresso após escândalos sexuais

Uma certa noite os dois foram ao apartamento do diretor para um ensaio e, em certo momento, aos 18 anos, Harry viu o astro se aproximar, sentar ao seu lado no sofá e colocar a mão em sua perna. Ele se lembra de ter levantado e ido para outro lugar, mas Spacey foi atrás e repetiu a manobra, desta vez com as mãos entre as coxas do rapaz.

O filho de Richard conta que olhou profundamente para Spacey e disse que não, tentando não chamar a atenção do pai. "Eu pensei que estava protegendo todos. Eu estava protegendo a carreira do meu pai. Eu estava protegendo Kevin, porque meu pai provavelmente ia querer dar um soco nele. Eu estava me protegendo, porque pensei que um dia gostaria de trabalhar com aquele cara", relembra.

Como uma maneira de não assumir nem para si mesmo que tinha sido vítima, o jovem admite que passou muitos anos contando o ocorrido para amigos e colegas como se fosse uma história engraçada. No entanto, depois de ver vários personagens homens e mulheres se unirem contra os abusos sexuais do ator, ele decidiu falar publicamente do assunto para exigir "um mundo melhor". 

"Um mundo em que os homens poderosos não se sintam mais seguros para fazer isso ou muito pior. O que me machuca sobre Kevin foi o quão seguro ele estava. Ele sabia que poderia me acariciar em um quarto com meu pai e que eu não diria nada. Ele sabia que eu não teria coragem. E eu não tive", lamenta.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.