REUTERS/Benoit Tessier
REUTERS/Benoit Tessier

Festival de Cannes proíbe selfies no tapete vermelho

Delegado geral do evento disse que costume é 'extremamente ridículo e grotesco' e atrasa o cronograma da organização

O Estado de S.Paulo

23 Março 2018 | 11h44

O Festival de Cannes decidiu proibir selfies nos desfiles glamourosos no tapete vermelho que antecedem a exibição dos filmes mais esperados de cada edição, como anunciado por seu delegado geral, Thierry Frémaux. Há três anos, ele solicitou publicamente que estrelas e convidados que passassem pelo tapete vermelho não aderissem a esse costume "extremamente ridículo e grotesco", o que também atrasou o cronograma rigoroso da organização.

+ Festival de cinema em Portugal une terror e humor

+ Filme romeno 'Touch Me Not' vence o Urso de Ouro no Festival de Berlim

Fremaux lamentou, então, que os artistas que passavam pelo tapete vermelho paravam a cada dois metros "para tirar uma foto de si mesmos". E, como sua recomendação não teve o efeito desejado, agora ele decidiu proibir esta prática, segundo entrevista dada à revista Le Film Français.

+ Ainda o Globo de Ouro, e o que a cerimônia sinalizou

+ Cate Blanchett presidirá o júri do Festival de Cannes

Juntamente com Pierre Lescure, presidente do festival, o delegado geral de Cannes decidiu proibir selfies. "No tapete vermelho, a trivialidade e a desaceleração causada pelo distúrbio fazem com que a selfie atrase a subida das escadas e, portanto, o festival como um todo", explica o chefe de Cannes.

Assim, nesta 71ª edição do evento mais famoso do mundo, que será realizado de 8 a 19 de maio, a cena habitual de convidados não pode mais ser repetida fazendo-se uma selfie enquanto os flashes dos fotógrafos credenciados se multiplicam.

A edição terá mais novidades, como o avanço de seu início em um dia (na terça-feira) para que os prêmios sejam entregues no sábado e não no domingo como antes, o que dará mais visibilidade à gala. Isso também eliminará os passes para a imprensa e o público, para que a exibição de gala, precedida pelo desfile no tapete vermelho, seja a estreia mundial do filme. "Assim, o suspense será total", diz Frémaux. Pequenas mudanças em um festival que funciona há sete décadas como uma máquina bem lubrificada, mas que está se adaptando aos tempos. / Com agências internacionais

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.