Ennio Leanza/ AP
Ennio Leanza/ AP

Feministas preparam manifestação contra Polanski em Paris

Cineasta deve presenciar a exibição de seu filme 'Based on a True Story' na Cinémathèque, que organizou mostra em sua homenagem

AFP

30 Outubro 2017 | 11h21

A associação Osez le féminisme! convocou uma manifestação nesta segunda-feira, 30, em Paris contra uma retrospectiva organizada pela Cinémathèque em homenagem ao cineasta franco-polonês Roman Polanski, acusado por várias mulheres de agressões sexuais.

A manifestação está prevista a partr das 18h30 GMT (16h30 de Brasília) em frente à instituição, onde o diretor de 84 anos deve assistir à projeção de seu último filme, Based on a True Story.

"Para nós, o importante é cancelar a retrospectiva, obter um pedido de desculpas da Cinémathèque e uma conscientização", disse à AFP a porta-voz do grupo feminista, Raphaelle Rémy-Leleu.

A Cinémathèque garantiu que não cancelará esta retrospectiva. "Fiel aos seus valores e à sua tradição de independência, a Cinémathèque não pretende ser substituída por qualquer justiça", afirmou a instituição presidida pelo diretor Costa-Gavras, denunciando um pedido de "censura".

** Justiça suíça vai examinar novas acusações de estupro contra Polanski

Uma petição cobrando o cancelamento da homenagem a Polanski já reunia mais de 26 mil assinaturas.

Sob pressão das feministas, Roman Polanski teve que desistir no início do ano de presidir a cerimônia de entrega dos César.

O cineasta foi indiciado nos Estados Unidos em 1977 pelo estupro de Samantha Gailey, de 13 anos. Aos 43 anos, Polanski admitiu ter tido relações sexuais ilegais com a menor.

** Expulsão de Harvey Weinstein da Academia de Hollywood levanta questões sobre outros nomes

Depois de passar 42 dias na prisão, Roman Polanski fugiu dos Estados Unidos em janeiro de 1978, temendo que fosse novamente condenado a uma pena mais severa.

Desde este caso e o escândalo envolvendo Weinstein, várias mulheres emergiram das sombras para acusar o cineasta de agressão sexual, acusações "infundadas", segundo seu advogado.

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.