1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Feliz, Iñárritu classifica 'O Regresso' como seu maior desafio profissional

- Atualizado: 18 Janeiro 2016 | 11h 17

Diretor pode atingir conquista histórica se vencer o Oscar de melhor filme pelo segundo ano seguido

Com 12 indicações ao Oscar e seu triunfo no recente Globo de Ouro, o mexicano Alejandro González Iñárritu assegura estar feliz e agradecido pela crítica de O Regresso, filme que considera seu "maior desafio profissional".

"O sentimento de alegria provém de poder compartilhá-la com todo mundo que fez o filme. Fiquei muito feliz com a inclusão de todos os departamentos (nas indicações ao Oscar), quase todos foram reconhecidos, incluindo Tom Hardy", ressaltou o diretor e roteirista mexicano em declarações à Agência Efe.

Iñarritú e Leonardo DiCaprio
Iñarritú e Leonardo DiCaprio
O Regresso, protagonizado por Leonardo di Caprio, narra a história real do explorador Hugh Glass, que foi abandonado por seus companheiros de expedição após o ataque de um urso na América do Norte dos primeiros colonos, no século XIX.

Filmado em paisagens naturais do Canadá e Argentina, a rodagem foi a mais exigente até o momento para o diretor de Amores Brutos e Birdman ou (A Inesperada Virtude da Ignorância).

"Houve muitos sacrifícios e problemas para resolver; é o maior desafio profissional que tive, mas já passou. O importante é que os filmes sejam medidos por seus méritos e agora é quando 'O Regresso' começa a falar por si mesmo", assegurou em conversa telefônica desde Londres.

Iñárritu foi o grande vencedor do Oscar no ano passado com Birdman, que levou os prêmios de melhor filme, diretor, roteiro original e fotografia para seu inseparável Emmanuel Lubezki, que, se ganhar, levará sua terceira estatueta consecutiva após Gravidade e Birdman.

No caso de Iñárritu, se neste ano for agraciado com o Oscar de melhor filme com O Regresso, seria uma conquista histórica, nunca antes registrada.

Como melhor diretor só há dois precedentes que ganharam o Oscar de forma consecutiva: John Ford, com Vinhas da Ira (1940) e Como era verde o meu vale (1941), e Joseph L. Mankiewicz, com Quem é o infiel (1949) e A Malvada (1950).

"Não gosto de pensar nisso", disse Iñárritu sobre estas comparações.

"O trabalho já está feito, a decisão será dos acadêmicos, e como não tenho nenhuma possibilidade de fazer nada a respeito, prefiro evitar esse tipo de pensamento", ressalta. "Que o filme seja indicado, que eu seja indicado e que tenha tantos reconhecimentos enche meu coração de alegria", insistiu o diretor, que nos últimos anos passou de marginalizado na indústria de Hollywood a ser o mais desejado.

"Não sei se serei desejado ou não, mas posso dizer que sempre desenvolvi e escrevi meus projetos em liberdade e sigo mantendo essa linha", conclui.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX