1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Explosão de gêneros marca o longa 'White God'

- Atualizado: 02 Março 2016 | 04h 00

Húngaro Kornel Mundruczó fala de seu filme que venceu a mostra Un Certain Regard, em 2014

Em 2014, o júri da mostra Un Certain Regard, no Festival de Cannes, foi presidido pelo argentino Pablo Trapero. Havia um belo filme da Argentina na seleção – Jauja, de Lisandro Alonso. O júri ignorou-o. Interpelado pelo repórter, após a premiação, Trapero justificou-se – “O filme é muito experimental. Não teve muita ressonância entre os jurados.” Trapero e seus comandados – ele prefere parceiros – preferiram atribuir o prêmio da seção a White God, do húngaro Kornel Mundruczó. O título original não deixa de fazer um trocadilho com ‘God’ (Deus) e ‘dog’ (cachorro). No Brasil, onde já está em cartaz, o filme mantém o título original.

Mundruczó pode não ser muito conhecido do cinéfilo brasileiro, mas é considerado um dos mais talentosos autores da nova geração húngara. Só para lembrar, a Hungria acaba de levar o Oscar de filme estrangeiro com O Filho de Saul, de László Nemes. Os filmes de Nemes e, agora, Mundruczó somam-se a O Cavalo de Turim, de Béla Tárr, em cartaz. A se julgar pelas amostras, o cinema húngaro bem pode ser o melhor do mundo (o filme de Tárr) ou o mais desconcertante (os de Nemes e Mundruczó). O cinema tem contado histórias de discriminados e excluídos. Assim como nunca houve um filme sobre o Holocausto como O Filho de Saul, também é pouco provável que se encontre outra fábula de exclusão como a de White God.

O filme conta a história de uma garota que tem um cão mestiço, Hagen. O pai não quer saber do cachorro. Vai aqui uma metáfora – o pai, a autoridade. Na Hungria, houve uma tentativa de lei para eliminar cães mestiços (e restringir a circulação dos ‘puros’). Na visão de Mundruczó, Hagen é abandonado, sofre todo tipo de abuso e violência – e parte para a vingança. De melhor amigo do homem, o cachorro vira inimigo. Depois de O Planeta dos Macacos, o dos cães raivosos. Na abertura do filme, Lili, a garota, está na bicicleta e é perseguida pelos cães nas ruas de Budapeste. Em Cannes, Mundruczó contou que foi muito complicado filmar com cães amestrados em ruas que deveriam estar desertas. Mas isso é adiantar-se demais. Ele contou que começar o filme pelo fim – a cena da perseguição só vai fazer sentido depois – tem a função de uma advertência. “Não queria trapacear com o espectador. É uma forma de deixar logo claro o tipo de filme que ele vai ver.”

A menina e seu cão. Amizade destruída
A menina e seu cão. Amizade destruída

Para o diretor, é irrelevante a possível aproximação de seu filme com O Cão Branco, de Sam Fuller, sobre racismo. “Você acha? É seu olhar.” Para ele, White God é sobre uma maioria que se estabelece como tal e, ao fazê-lo, cria a minoria. “É sobre como criamos nossos monstros e os rotulamos, sejam cães da rua, imigrantes, todo tipo de minorias.” Também a título de advertência, o diretor recorre a uma citação do poeta Rainer Maria Rilke. “Uma coisa muito terrível é aquela que mais necessita do nosso amor e compreensão.” Mundruczó diz que a frase é revolucionária porque nos compromete. “Embutida nela está a ideia de que fazer parte do sistema ou ficar contra ele é uma opção nossa.” E o diretor acrescenta. “Dizem (os críticos, os produtores, o público) que sou um provocador. Johanna, meu musical, é sobre uma viciada que se santifica pelo sexo. Tender Son – The Frankenstein Project é minha releitura do livro de Mary Shelley. Em White God, queria mostrar o que ocorreu conosco, que formamos o Leste europeu. Antes, havia uma espécie de melancolia na nossa sociedade, no nosso cinema. Desapareceu. O mundo é hoje selvagem – ponto.”

Para expressar essa selvageria, Mundruczó recorre a uma explosão de gêneros e foi o aspecto talvez mais discutido de White God em Cannes. “Creio, sinceramente, que nenhum gênero consegue mais dar conta da realidade. A pulverização da URSS somada à crise econômica fragmentou toda a Europa do Leste e, depois do 11 de setembro, acho que mergulhamos numa era de crise moral. Nosso desafio de cineastas é encontrar hoje novas formas de narração cinematográfica para colocar na tela a moral desses tempos flexíveis. Corrupção, violência. O cinema é um espelho. É importante manter o foco e não deformar ainda mais o que já anda torto.”

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX