Alessandro Bianchi/Reuters
Alessandro Bianchi/Reuters

Estrelas, realidade virtual e imigrantes dominam Festival de Veneza

A 74ª edição do evento que começa nesta quarta, dia 30, terá início com 'Downsizing', de Alexander Payne

Reuters, O Estado de S.Paulo

29 Agosto 2017 | 23h10

VENEZA - Um documentário sobre refugiados do artista chinês Ai Weiwei, um filme de terror estrelando Jennifer Lawrence e a tentativa mais recente de George Clooney como diretor estão cotados como imperdíveis no Festival de Cinema de Veneza, que começa nesta quarta-feira, dia 30 de agosto, na ilha de Lido.

Grandes talentos e diretores de Hollywood irão competir pelo Leão de Ouro no festival de cinema mais antigo do mundo e que, após um período de estagnação, é novamente considerado uma plataforma de lançamento para a temporada de premiações da indústria, após ter estreado vencedores do Oscar em suas quatro últimas edições.

O drama espacial “Gravidade”, o filme sobre abusos “Spotlight – Segredos Revelados” e o musical do ano passado “La La Land – Cantando Estações” receberam Oscars após estrearem em Veneza. Estas vitórias ajudaram a atrair talentos para o festival deste ano, disse o diretor artístico Alberto Barbera. 

“Finalmente todos os principais, os grandes estúdios de Hollywood, perceberam que vir a Veneza... realmente muda a perspectiva de um filme”, disse Barbera à Reuters às vésperas do festival, que segue até 9 de setembro. “É muito mais fácil ter os filmes que nós queremos.”

A 74ª edição do festival terá início com “Downsizing”, de Alexander Payne, uma sátira com Matt Damon sobre um casal que decide se encolher para cerca de 10 centímetros de altura.

A rica seleção de filmes norte-americanos e internacionais também inclui “Mãe!”, de Darren Aronofsky, com Jennifer Lawrence e Javier Bardem; “The Shape of Water”, de Guillermo Del Toro; e “Victoria and Abdul”, de Stephen Frears, que conta com Judi Dench como a rainha do século 19 e que será exibido em sessão fora da competição.

“Há muitos filmes com forte potencial para o Oscar”, disse Ariston Anderson, crítica de filmes no Hollywood Reporter. Ela lamentou o fato de somente uma diretora estar na competição principal, mas elogiou os organizadores por realizarem o primeiro grande evento de cinema a ter uma competição de realidade virtual.

“Isso envia uma mensagem forte para uma plataforma como Veneza ter uma competição de realidade virtual, que é uma nova forma de arte, vamos julgá-la, vamos aceitá-la e ver o que sai”, afirmou.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.