1. Usuário
Assine o Estadão
assine


ESTREIA-Protagonizada por uma zebra, animação "Khumba" exagera nos clichês

REUTERS

02 Julho 2014 | 16h 25

Um raríssimo exemplar da animação sul-africana, “Khumba” é cheio de boas intenções e um colorido vibrante – pena que uma dezena de filmes anteriores já se valeram dessa mesma boa vontade e dessa mesma paleta de cores. O protagonista, que dá título ao filme, é uma zebra que nasceu com metade do corpo sem listras, e, por isso, é o patinho feio do seu grupo.

O filme é lançado no país em cópias convencionais e em 3D – apenas na versão dublada.

Anthony Silverston, diretor do filme e responsável pelo roteiro com mais seis roteiristas, pega um pouco emprestado de “Era do Gelo”, mais um pouco de “Madagascar”, e, para finalizar, “Bambi”. A falta de chuva na região onde moram Khumba e seu grupo é creditada à ausência das listras no animal.

E, quando sua mãe morre, a jovem zebra sai pelo mundo em busca de uma fonte de água, que também o transformará numa zebra completa, ou seja, com todas as listras.

O pai dele, Seko, chefe do grupo, e sua namorada Tombi, saem em busca dele, mas Khumba já está do outro lado da cerca. Seu caminho se cruza com o de outros animais – todos com características bastante clichês, típicas de humanos.

Entre eles, um leopardo cego de um olho, chamado Pango, que persegue os outros animais. A zebrinha encontrará amigos no cachorro selvagem nervosinho e falador, Sodré, numa gnu esperta e com instintos maternais à flor da pele, Dona V, e uma avestruz neurótica, a Rebordosa.

“Khumba” segue os caminhos mais óbvios da jornada desse herói, que, quando busca uma fonte de água, que afinal é apenas um símbolo, acaba descobrindo e aceitando a si mesmo como é. Nada que outros filmes não tenham já tenha feito à exaustão e, tecnicamente, de forma mais competente.

O diretor e seus colegas roteiristas parecem confiar demais no fator fofura dos personagens, que deve agradar às crianças e entediar não poucos adultos.

(Por Alysson Oliveira, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb