1. Usuário
Assine o Estadão
assine

ESTREIA-Mathieu Amalric interpreta professor suspeito de crime em suspense francês

REUTERS

02 Julho 2014 | 16h 21

Diante da enxurrada de thrillers óbvios, ou filmes de suspense que miram mais os sustos banais do que um eficiente desenvolvimento de roteiro, é bem-vinda a tentativa de originalidade do francês “O Amor É Um Crime Perfeito”.

Dirigido pelos irmãos Arnaud e Jean-Marie Larrieux (de “Pintar ou Fazer Amor”, de 2005), o filme adapta o romance “Incidences”, de Philippe Djian (autor de “Betty Blue”, origem do filme cult de 1986) e é protagonizado pelo sempre magnético ator Mathieu Amalric.

Amalric entra muito naturalmente na pele do professor universitário Marc, que leciona criação literária na Universidade de Lausanne, na Suíça – cujo design futurista, com grandes janelas e rampas no meio de um cenário repleto de neve oferece rapidamente um paralelo com um lugar fora do comum, quase uma paisagem espacial.

A estranheza, no entanto, nasce mais das relações humanas desta história, em que Marc faz jus à fama de conquistador das inúmeras belas alunas jovens que frequentam seu curso – e que ele costuma levar à sua casa, um refúgio reservado, no alto de uma montanha, que ele divide com a irmã, Marianne (Karin Viard).

Quando desaparece uma de suas alunas e conquistas, Barbara (Marion Duval), o professor se torna alvo de suspeitas. Ao mesmo tempo, a madrasta da moça, Anna (Maiwenn), passa a procurá-lo. A princípio, parece apenas querer saber informações sobre a enteada. Mas logo surge uma forte atração entre ela e Marc.

Ao mesmo tempo, aparecem indícios do estranho relacionamento que une Marc e sua irmã, pontuado pelo ciúme e pela manipulação mútua, e também, por parte dela, de um flerte com Richard (Denis Podalydès), chefe do departamento de Literatura a que Marc está subordinado e apaixonado por Marianne.

É de jogos de sedução e poder que trata realmente esta história, que tira partido de um notável elenco, em que se sobressai outra aluna de Marc, Annie (Sara Forestier) – cuja impetuosidade acrescenta algumas doses de perigo a situações já bastante tensas.

Mais do que um thriller voltado a desvendar a ocorrência de algum crime, o enredo foca em expor a incapacidade de diversos personagens em lidar com suas próprias obsessões, tendo ou não total consciência delas. Por essa dedicação em apagar as próprias pistas e liberar algumas pequenas surpresas em doses homeopáticas é que o filme merece maior atenção.

(Por Neusa Barbosa, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb

Você já leu 5 textos neste mês

Continue Lendo

Cadastre-se agora ou faça seu login

É rápido e grátis

Faça o login se você já é cadastro ou assinante

Ou faça o login com o gmail

Login com Google

Sou assinante - Acesso

Para assinar, utilize o seu login e senha de assinante

Já sou cadastrado

Para acessar, utilize o seu login e senha

Utilize os mesmos login e senha já cadastrados anteriormente no Estadão

Quero criar meu login

Acesso fácil e rápido

Se você é assinante do Jornal impresso, preencha os dados abaixo e cadastre-se para criar seu login e senha

Esqueci minha senha

Acesso fácil e rápido

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Cadastre-se já e tenha acesso total ao conteúdo do site do Estadão. Seus dados serão guardados com total segurança e sigilo

Cadastro realizado

Obrigado, você optou por aproveitar todo o nosso conteúdo

Em instantes, você receberá uma mensagem no e-mail. Clique no link fornecido e crie sua senha

Importante!

Caso você não receba o e-mail, verifique se o filtro anti-spam do seu e-mail esta ativado

Quero me cadastrar

Acesso fácil e rápido

Estamos atualizando nosso cadastro, por favor confirme os dados abaixo