1. Usuário
Assine o Estadão
assine

ESTREIA-Adolescentes enfrentam assombração em terror mediano

REUTERS

11 Junho 2014 | 18h 51

Comprar uma casa a um preço módico porque o local foi palco de mortes misteriosas definitivamente não é uma boa ideia. Base de um sem-número de histórias de terror, é prenúncio de fenômenos paranormais que seus moradores desavisados irão enfrentar.

Como uma fórmula de gênero, que se denigre pela imitação, dificilmente irá surpreender o espectador. Por isso, é imprescindível que seus realizadores consigam ser inventivos na condução da história para sair da mesmice. E esse é o maior problema de "A Face do Mal".

Quando a família Asher se muda para sua mais nova casa, não se importa com o tenebroso passado recente do imóvel. Lá, Janet Morello (Jacki Weaver) viu seus três filhos e marido morrerem das formas mais perversas, depois de passarem pelas agruras da convivência com uma assombração.

Não demora muito para o adolescente Evan (Harrison Gilbertson) perceber que seu novo lar não é nada convencional, mas prefere focar sua atenção na bela vizinha Sam (Liana Liberato). Com problemas em casa, a jovem passa a conviver com os Asher e se espanta com a estranhas ocorrências à sua volta.

O casal então passa a investigar o passado da casa e encontra um rudimentar aparelho para se comunicar com fantasmas. Ao contatar o espírito do jovem Matthew Morello (Seastian Barr), percebem que há uma entidade perigosa à espreita, ligada a Janet.

O diretor (Mac Carter) e o roteirista (Andrew Barrer), pouco afeitos ao gênero, não conseguem ambientar o suspense para entregar na tela o terror prometido. Com produção assinada pelo crítico de cinema Steven Schneider, que ficou conhecido pela franquia "Atividade Paranormal" (e único real sucesso), trata-se de um filme mediano, com alguns sustos, mas pouquíssima tensão.

(Por Rodrigo Zavala, do Cineweb)

* As opiniões expressas são responsabilidade do Cineweb