Mario Anzuoni/Reuters
Mario Anzuoni/Reuters

Emma Stone assume topo de lista de atrizes mais bem pagas da 'Forbes'

Vencedora do Oscar de atriz neste ano por 'La La Land - Cantando Canções', ganhou US$ 26 milhões entre junho de 2016 e junho de 2017

Reuters, O Estado de S.Paulo

16 Agosto 2017 | 21h21

LOS ANGELES – Vencedora do Oscar de melhor atriz neste ano, Emma Stone desbancou Jennifer Lawrence nesta quarta-feira e assumiu o topo da lista de atrizes mais bem pagas de 2017 da revista ‘Forbes’.

Emma, de 28 anos, que conquistou a estatueta pelo papel de uma atriz em início de carreira em ‘La La Land – Cantando Canções’, ganhou US$ 26 milhões pré-impostos, de acordo com cálculos da ‘Forbes’ referentes ao período de 12 meses transcorrido entre junho de 2016 e junho de 2017.

Ela superou Jennifer Aniston, de 48 anos, que ficou em segundo lugar neste ano com ganhos de US$ 25,5 milhões e que ainda tem uma renda adicional do seriado cômico ‘Friends’ e de acordos de patrocínio com marcas como SmartWater e Emirates Airline.

Jennifer Lawrence, de 27 anos, que encabeçou a lista durante dois anos consecutivos, caiu para a terceira posição neste ano com uma renda de US$ 24 milhões, quase metade dos US$ 46 milhões do ano anterior.

A atriz, que defendeu o pagamento igual para as mulheres de Hollywood, viu seus rendimentos diminuírem em 2017 devido à conclusão da franquia ‘Jogos Vorazes’, mas continua a fazer dinheiro com filmes e com um acordo de patrocínio com a grife Christian Dior.

A ‘Forbes’ compila os ganhos anuais das celebridades com base nas bilheterias e em dados da consultoria Nielsen, além de entrevistas com pessoas bem informadas da indústria.

A lista das dez mais bem pagas ainda inclui Charlize Theron, Emma Watson e Melissa McCarthy. A ‘Forbes’ disse que nenhuma estrela asiática entrou na compilação mais recente. 

Segundo a revista, o total acumulado dos rendimentos das 10 atrizes mais bem pagas do mundo foi de US$ 172,5 milhões – 16% a menos do que no ano anterior.

Mais conteúdo sobre:
Emma Stone Cinema

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.