Universal Pictures
Universal Pictures

Em tempos de estadistas lunáticos, Gary Oldman é Winston Churchill no cinema

Ator venceu o Globo de Ouro encarnando de forma perfeita o estadista britânico durante alguns dias decisivos para a Segunda Guerra Mundial no filme 'O Destino de Uma Nação'

Luiz Zanin Oricchio , O Estado de S. Paulo

11 Janeiro 2018 | 12h01

Num mundo dominado por líderes políticos inexpressivos, venais, corruptos ou francamente lunáticos e perigosos, parece haver um certo fascínio pela figura de Winston Churchill (1874-1965), um estadista de verdade. Ele agora é personagem de O Destino de Uma Nação, de Joe Wright, com Gary Oldman perfeito, vencedor do Globo de Ouro pelo papel. 

Não se trata apenas de parecer fisicamente com o personagem, porque esta é uma proeza da maquiagem. Mas falar, andar e gesticular como ele, aparentando aquele misto de força e contradições associado a Churchill, isso sim é uma interpretação. Churchill não foi apenas um grande homem, mas um formidável personagem, com seu inseparável charuto, comilão e beberrão, irascível às vezes, cheio de senso de humor em outras. Extrovertido e presa de depressões incontroláveis, Churchill era cheio de arestas, enigmas e ambiguidades. Coube a Oldman o mérito de haver entendido, até onde isso é possível, esse personagem insondável e emprestar seu corpo e alma para trazê-lo de volta à vida. 

+ 'O Destino de Uma Nação' revê trajetória do polêmico Churchill

É um filme tenso, de punhos cerrados, em que cada palavra e gesto são decisivos. Churchill é visto ditando seus discursos à secretária, em casa com a mulher Clemmie (bela caracterização de Kristin Scott-Thomas), duelando com seus opositores que preferiam tentar um acordo diante da iminente queda da França. Também é visto numa escapada pelo metrô, para sentir como ia o moral do povo inglês àquela altura do campeonato. 

+ Há um mar de livros sobre o estadista britânico Winston Churchill

O filme, claro, é de Gary Oldman, mas o mérito de Joe Wright não pode ser menosprezado. É de sua responsabilidade manter o fio tenso, naqueles poucos dias em que o destino da guerra esteve por um triz. Mesclar essa eletricidade permanente a momentos de humor e desafogo, que sempre esperamos desse personagem, é uma sabedoria. Como vê-lo enfim em toda a integridade, o único entre os participantes de todo aquele teatro político a estar, de fato, à altura dos desafios daquele tempo de guerra. 

Mais conteúdo sobre:
Gary Oldman cinema Winston Churchill

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.