1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Eduardo Coutinho deixa filmografia com produções premiadas

Celso Filho - Especial para o Estado

02 Fevereiro 2014 | 18h 04

Confira os principais documentários da carreira de cineasta

Considerado com um dos maiores documentaristas brasileiros, Eduardo Coutinho, assassinado neste domingo, 2, no Rio, deixa uma filmografia de mais de 20 produções, sendo 12 longa-metragens. Em 2007, o cineasta foi prremiado com o Kikito de Cristal, no Festival de Cinema de Gramado. Entre os maiores destaques de sua carreira, estão "Cabra Marcado Para Morrer" (1985), "Edifício Master" (2002) e "Jogo de Cena" (2007).

Confira alguns dos filmes de sucesso da obra de Eduardo Coutinho:

Cabra Marcado Para Morrer (1984)

O filme narra a vida de João Pedro Teixeira, um trabalhador rural paraibano, assassinado em 1962. A produção sairia em 1964, mas foi interrompida pelo golpe militar e Coutinho foi acusado de comunismo na época. Em 1981, o cineasta retoma o projeto com a mesma equipe e personagens. O resultado é uma obra que foi premiada em festivais do Brasil e do exterior.

Babilônia 2000 (2001)

Coutinho acompanha os preparativos para a chegada do novo milênio em comunidades do morro da Babilônia no Rio de Janeiro. O documentário acompanha a vida dos moradores da região e suas expectativas para os anos 2000.

Edifício Master (2002)

Ambientado em um tradicional prédio do bairro de Copacabana, no Rio de Janeiro, o documentário mostra a vida de moradores muito diferentes uns dos outros, mas que vivem no meu local.

Jogo de Cena (2007)

Em um anúncio de jornal, o cineasta convida oito mulheres para contar um pouco de suas histórias em frente às câmeras. No documentário, Coutinho faz um jogo de cena, misturando as personagens reais com a interpretações de atrizes.

Moscou (2009)

Penúltimo filme de Coutinho continua a discussão da relação entre documentário e ficção. No filme, ele acompanha os ensaios de um grupo de teatro que fazem uma adaptação da peça "Três irmãs" de Anton Tchekhov.

As Canções (2011)

Em seu último filme, Coutinho visita o poder da música na memória afetiva das pessoas. No filme, ele convida os personagens a cantarem canções que marcaram suas vidas.