1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'É o Amor', novo filme de Paul Vecchiali, fala de casais que não se prendem a gêneros

- Atualizado: 12 Março 2016 | 03h 00

Longa não desmonta apenas em clichês de comportamentos

Paul Vecchiali tornou-se um ‘caso’ do cinema francês como o primeiro diretor a vincular homossexualidade e aids. Foi no filme Encore/Ainda, em 1987. Quando isso ocorreu, ele já tinha mais de 20 anos de carreira. Iniciou-se em 1965 com Les Ruses du Diable. Na época, ainda era recente o fenômeno nouvelle vague, mas a nova onda dissipava-se, ou diversificava-se, cada vez mais distante do credo seminal do movimento. Vecchiali nunca foi um autor da nova onda, embora professasse dois de seus mandamentos – sempre filmes autorais e de baixíssimo orçamento. Seu vínculo mais notável era com o cinema francês dos anos 1930, com a artificialidade assumida do realismo poético de Marcel Carné e Jacques Prévert.

No Dicionário de Cinema, Jean Tulard observa que Vecchiali é objeto de um verdadeiro culto por parte de alguns cinéfilos. O culto chegou ao Brasil, onde seus filmes mais recentes têm chegado ao circuito. Há mais ou menos um ano estreou Noites Brancas no Píer, a particular versão de Vecchiali do clássico Noites Branças, de Dostoievski. Estreou agora – na quinta-feira, 10 –, É o Amor, que confirma a preferência do autor por personagens à margem, ou capazes de tudo sacrificar em sua busca por prazer.

São dois casais – Odile e o namorado, que ela pensa que a está traindo, formam um. O outro é um ator gay que se ligou a um ex-militar que saiu do armário. Só como curiosidade, o ator do filme dentro do filme, Pascal Cervo, acaba de protagonizar um sucesso – O Gostosão do Lago, título que obviamente remete a Um Estranho no Lago, de Alain Guiraudie. O universo do homoerotismo é forte no cinema de Vecchiali. Para provocar ciúme no namorado, Odile se envolve com o ator homossexual, e ele não apenas corresponde como se dispõe a tomá-la do ex. No fundo, o que vai aproximar todas essas pessoas é a carência afetiva e sexual. Em busca de aceitação, todo mundo arrisca-se. Os pares viram triângulo(s) e Vecchiali radicaliza estereótipos que depois desmonta, tipo a poligamia é aceitável, do ponto de vista social, somente para os homens e os gays são mulherzinhas para seus machos.

'É o Amor'. Astride Adverbe é a esposa, Odile
'É o Amor'. Astride Adverbe é a esposa, Odile

Com tratamento da cor em tons fortes, É o Amor não desmonta apenas clichês de comportamentos. Vecchiali também subverte noções elementares de tempo e espaço e, exemplo disso, é a cena da festa na praia, filmada de um jeito que desconcerta o espectador quanto ao real cenário em que se encontram os personagens. Em seu verbete no Dicionário de Cinema, Jean Tulard diz que, com a desculpa da falta de recursos, Vecchiali tenta disfarçar deficiências que talvez sejam de ordem conceitual. Mesmo respeitando-o como ‘autor’, Tulard não reza pela cartilha de Vecchiali como grande cineasta. Mas ele, como qualquer cinéfilo digno do nome, reconhece a importância do projeto de Vecchiali. O que ele quer, como ‘autor’, é libertar o real daquilo que o obscurece, sejam ideias ou olhares preconcebidos. Um cineasta ‘original’, em suma.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX