1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Diplomacia' promove debate entre a razão e a cega obediência

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 05h 00

Diretor Volker Schlondorff vai à essência da coisa

Certo, o mesmo incidente foi contado em Paris Está em Chamas (1966), de René Clair. A diferença é que, neste, o embate entre o embaixador sueco e o general alemão era apenas pano de fundo para uma série de acontecimentos que tinham lugar nas ruas.

Schlondorff vai à essência da coisa, que é a tarefa de convencimento que Raoul Nordling (André Dussollier) se propõe ao enfrentar o turrão Dietrich von Choltitz (Niels Arestrup). Choltitz havia recebido ordens do Führer para não deixar pedra sobre pedra da capital francesa após a rendição. As 33 seriam dinamitadas, a Notre-Dame viria abaixo, assim com os Invalides, o Louvre, a Torre Eiffel e o Arco do Triunfo. Derrotada, a Alemanha deixaria uma memória de destruição como legado. E Choltitz seria a mão do carrasco a varrer da Terra uma de suas joias - Paris e seus habitantes. 

Cena do filme 'Diplomacia'
Cena do filme 'Diplomacia'

O foco será esse debate entre quatro paredes. Não a discussão entre a civilização e a barbárie, porque esta não existe, mas entre a racionalidade e o cumprimento cego de ordens irracionais. Para ser persuasivo, Nordling se colocou na posição do iluminista e supôs no alemão um interlocutor possível. O legado civilizatório francês, assimilado pelo sueco, salvou Paris. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX