1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'O Bom Dinossauro' transpõe western para a pré-história

- Atualizado: 08 Janeiro 2016 | 09h 27

Longa que teve problemas durante a realização ainda tem o complemento de um curta ótimo,‘Os Heróis de Sanjay’

Em Cannes, no ano passado, houve um evento da Pixar para promover Divertida Mente. Pete Docter e John Lasseter falaram do filme e dos novos rumos da empresa com a Disney. Lasseter não se furtou a discorrer sobre outros projetos em andamento da Pixar. O mais polêmico deles, claro, era O Bom Dinossauro, que finalmente estreou na quinta, 7, mais de um ano depois da data inicialmente prometida. Lasseter, que tem crédito de produtor, não minimizou os problemas.

Para o espectador que agora assiste a O Bom Dinossauro é curioso ver como o filme tem um crédito de direção (Peter Sohn) e outro de conceito e criação de personagens (Bob Peterson). O segundo era o diretor original, mas foi substituído depois de empacar no terceiro ato da história. Foi preciso a intervenção de todo o ‘brain storm team’ da Pixar para que o filme, finalmente, fosse concluído.

Lasseter chegou a dizer que Sohn salvou o dinossauro fictício (e animado) da destruição ao transformar a aventura pré-histórica num western. Isso passa pela construção dramática que faz com que a casa de ‘Arlo’, o dinossauro teen, seja uma fazenda não muito diferente daquela a que chegava o mitológico Shane em Os Brutos Também Amam, de George Stevens, com aqueles cumes nevados ao fundo.

Arlo. O bom dinossauro com o humanoide: jornada emocional
Arlo. O bom dinossauro com o humanoide: jornada emocional
 Para o repórter, foi uma experiência e tanto assistir ao filme com o público em sua primeira sessão. Antes de falar sobre O Bom Dinossauro, vale destacar o complemento – o curta Os Heróis de Sanjay, de Sanjay Patel. Lasseter vive falando da diversidade cultural dos animadores da Pixar. Sanjay é indiano e faz com que seus deuses dialoguem, ou interajam, com os super-heróis do Ocidente. O curta é ótimo.

O longa – O Bom Dinossauro –, também, mas talvez se destine mais ao público adulto, aos pais, que às crianças. Elas ficaram muito inquietas durante a sessão. Houve choro. De cara, Arlo revela-se um ‘garoto’ medroso. A perda do pai só acentua suas inseguranças. Ele se perde no mundo e passa a hora e meia seguinte tentando voltar para casa – o tema por excelência de Hollywood, de ...E o Vento Levou a E.T. No caminho, encontra/adota o ‘menino’ humanoide. Será uma jornada de superação para ambos. O filme fala de morte, daquilo que se ganha e perde com o amadurecimento. Há uma despedida de cortar o coração, como a de Shane. O Bom Dinossauro pode muito bem ser a mais densa e emocional animação da Pixar.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX