1. Usuário
Assine o Estadão
assine

Cuidado: 'A Órfã' não é nada do que parece

Luiz Carlos Merten, de O Estado de S. Paulo

04 Setembro 2009 | 08h 15

História sobre criança manipuladora é menos perturbadora do que sugere

Esther, a nova integrante da família,e sua mãe adotiva. Foto: Divulgação

 

SÃO PAULO - Jaume - não Jaime - Collet Serra pertence à nova geração de diretores de língua espanhola de filmes de terror. Ele foi parar em Hollywood na esteira do sucesso de Guillermo Del Toro. Jaume assina agora seu segundo terror norte-americano, após A Casa de Cera. A Órfã tanto poderá ser interessante como abominável. Não é filme que estimule os meios termos. Como nos velhos tempos - vade retro - da ditadura militar, o espectador é solicitado a amar ou deixar o filme que estreia hoje. É mais fácil que o deixe. A experiência emocional é desagradável, mais do que densa.

 

 

A cena inicial já encerra uma pegadinha. O casal entra correndo no hospital, com a mulher em trabalho de parto. O que ocorre com o bebê leva a um pesadelo da protagonista, interpretada por Vera Farmiga. A perda da criança estimula o casal - Peter Sarsgaard faz o marido - a adotar. Eles já possuem dois filhos, uma menina surda-muda e o menino, interpretado pelo ator de A Pedra Mágica, Jimmy Bennett. Entra em cena a órfã. Ela se chama Esther e só sua cara já tem valor de advertência, aliás, estampada no pôster do filme - há algo de errado com a garota.

 

Vinda, supostamente, de um orfanato na Rússia, Esther seguiu um caminho tortuoso, e sangrento, para chegar à casa de Kate e John. Apesar da cara de anjo, a menina é uma fera que passa a manipular os irmãos e a desestabilizar a união dos pais. Como Kate tem um histórico de alcoolismo, John toma o partido da garota, nisso se posicionando com a terapeuta que vira uma péssima aconselhadora. John vai pagar caro pelo erro e, além dos sustos, A Órfã guarda para o desfecho a revelação final sobre a personalidade psicótica de Esther. Ao espectador, só resta torcer para que a peste receba o corretivo que merece, mas isso você pode estar certo de que Kate, agindo no instinto, em defesa dos filhos, lhe aplica.

 

A Órfã (Orphan, Alemanha-Canadá-EUA-França/2009, 123 min.) - Terror. Direção Jaume Collet-Serra. 16 anos. Cotação: Ruim