1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Crítica: Steve Jobs é humano e contraditório em filme de Danny Boyle

- Atualizado: 02 Fevereiro 2016 | 13h 06

Criador da Apple é visto em três momentos da carreira

A primeira coisa a ser dita a respeito de Steve Jobs, do diretor Danny Boyle, é que não se trata de uma cinebiografia convencional, daquelas que acompanham o personagem do berço à tumba e se propõem a esmiuçar a vida do personagem. Boyle, filmando um roteiro de Aaron Sorkin (de Rede Social e também autor de várias séries para TV), quer traçar um perfil impressionista do criador da Apple. 

Ou seja, procura o retrato pelas bordas, vamos dizer, flagrando-o em três situações bem delimitadas, sempre precedendo o lançamento de um dos seus produtos. A opção obedece a um traço de personalidade de Jobs, o de homem do espetáculo, showman para quem não bastava a excelência técnica, mas contava a dramaturgia de apresentá-la ao público, que vibrava com ele como se fosse um popstar – e era mesmo. 

Filme sobre a vida de Steve Jobs
Filme sobre a vida de Steve Jobs

Desse modo, logo de início, vemos os tensos momentos que precedem a apresentação do Macintosh. A máquina deveria saudar o público com uma voz parecida ao do computador Hal de 2001 – Uma Odisseia no Espaço. Mas a placa de som emperra e talvez a voz não saia. Um detalhe. Mas para Jobs era questão de vida ou morte. 

A cada vez que for apresentar novo produto, Jobs (Michael Fassbender) se encontrará com os mesmos personagens. A começar pela fiel escudeira Joanna Hoffman (Kate Winslet), que o protege de todos, mas também o relembra de suas obrigações. Aparecem a ex-mulher e a garota Lisa, a filha que ele não quis reconhecer. E também Steve Wozniak (Seth Rogen), cofundador da Apple, e o CEO John Sculley (Jeff Daniels), que representa uma figura paterna, mas que ficou famoso ao demitir Jobs da empresa.

A atuação de Fassbender é um show e Kate não fica atrás. Aliás, todo elenco está muito bem. O que é essencial, porque não se trata de glorificar (ou demonizar) um ícone de nossa era tecnológica, mas expor-lhes as nuances de caráter e suas contradições humanas. Jobs reluta em admitir, mas é um ser autoritário e controlador, que busca o reconhecimento a qualquer preço. 

Ao mesmo tempo, ao se tornar rico e famoso, ele se coloca num pedestal rodeado de gente implorando por uma parcela de reconhecimento de sua parte. A começar por Wozniak, que lhe pede o óbvio, no tom mais digno deste mundo: que, em suas apresentações, Jobs lembre-se de mencionar a equipe que criou o produto e não trate a invenção como obra solitária do seu gênio. Há outros reconhecimentos que são pedidos a Jobs e que não dizem respeito a poder, dinheiro ou genialidade. São apenas da ordem do humano e começam por Joanna que, obviamente, é muito mais do que uma profissional competente e dedicada. E culminam com a filha, sempre negada e sempre presente. Esse drama do reconhecimento confere espessura ao perfil de Steve Jobs. 

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX