1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'Convergente', terceiro filme da série 'Divergente', é recheado de ação

- Atualizado: 10 Março 2016 | 04h 00

Longa traz os atores Shailene Woodley e Theo James no elenco

Desde que entrou para a lista de mais vendidos do The New York Times, em 2011, a série de livros Divergente, de Veronica Roth, já ultrapassou a marca de 34 milhões de exemplares vendidos. Somente no dia da estreia do primeiro filme, em 2013, as vendas bateram 455 mil livros, quebrando o recorde da Katherine Tegen Books - HarperCollins Publishers. É um patamar quase impossível de ser superado – quase. A série Divergente está terminando e quem garante que não venha a ser substituída por outra que venda mais ainda? O opus final chega nesta quinta aos cinemas brasileiros. Estreia nesta quinta, 10, em 1.023 salas, a primeira metade de A Série Divergente: Convergente.

Como já ocorreu com Jogos Vorazes, o episódio final da trilogia foi dividido em duas partes e o fim, fim mesmo, de Convergente chegará aos cinemas em junho de 2017. Estamos falando de números. Tem gente que se aborrece. Falemos de qualidade estética. Claro que a afirmação a seguir será objeto de controvérsia, mas a série Divergente é melhor que Jogos Vorazes. Até Maze Runner, outra série adaptada de livros, é melhor. Jogos Vorazes beneficiou-se enormemente da persona da atriz Jennifer Lawrence, que fez a protagonista, Katniss. Mas a estética dos filmes, com aqueles jogos, era uma vulgarização das encenações nazistas.

Só isso já devia bastar, mas, para complicar, havia um romance em Jogos Vorazes, como há em Convergente/Divergente. Para justificar a escolha final de Katniss, o pretendente mais forte fazia tudo errado no episódio final, justificando que a heroína se afastasse dele. O fim era anticlimático total – o horror, o horror –, mas os fãs gostaram. Robert Schwendke, que já dirigiu o 2 de Divergente, Insurgente, não incorre nesse erro. Rememorando – todos esses livros e filmes criam futuros distópicos em que jovens pegam em armas para resgatar a humanidade e acabar com a tirania. Na ficção de Divergente, a humanidade está dividida em facções, estimuladas a combater entre si. Desde o nascimento, as pessoas estão destinadas a um papel na vida social. Como Tris, Shailene Woodley descobre ser uma divergente, ou seja, não se enquadra em nenhuma facção. Torna-se potencialmente perigosa. E rebela-se com o amigo Quatro e outros divergentes para tentar descobrir o que existe além do muro que cerca o mundo, tal como o conhecem.

'A Série Divergente: Convergente'. Fim da trilogia tem 2 partes e o encerramento chega aos cinemas em junho de 2017
'A Série Divergente: Convergente'. Fim da trilogia tem 2 partes e o encerramento chega aos cinemas em junho de 2017

As descobertas do novo filme sucedem-se num ritmo avassalador. E tudo, até a ‘pureza’ de Tris, é parte de um experimento que ‘David’ (Jeff Daniels) vai tentar preservar a ferro e fogo. Mais não se pode avançar, sob risco de spoiler – mas, por se tratar de um experimento, nada é o que parece ser e é bom o espectador se preparar para as sucessivas reviravoltas que mudam a paisagem como o comportamento dos personagens. Quatro/Theo James é filho de Evelyn/Naomi Watts e, quando o filme começa, ela está recorrendo a julgamentos sumários para consolidar seu poder sobre as facções. Os conflitos familiares multiplicam-se. Tris descobre uma mensagem da mãe que a induz a erros no mundo além-muro. Traída pelo irmão – Caleb/Ansel Elgort, com quem Shailene dividiu a cena em A Culpa É das Estrelas –, ela vai lhe dar uma chance, mesmo que de forma não muito calorosa. “É o que a gente costuma fazer pela família”, diz ao irmão, que vai lhe devolver a frase. As reviravoltas rendem um relato de muita ação, Shailene e James têm química, mas nada disso ajudaria se o diretor Schwendke não tivesse pulso (e inteligência visual).

Schwendke tem 47 anos e iniciou-se na Alemanha. Um de seus primeiros filmes era sobre portador de câncer nos testículos – doença que o diretor enfrentou na vida e o fazia sentir-se ‘diferente’. A Mulher do Viajante do Tempo, com Eric Bana e Rachel McAdams, foi seu passaporte para Hollywood. O filme misturava ação e romance num relato de ficção científica. Jogava com tempo e espaço. Tudo isso, de alguma forma, impulsiona Convergente. A rigor, o filme não tem começo nem fim. É um ‘durante’ bem movimentado à espera do desfecho que só virá daqui a mais de um ano.

Mostra no CCSP dá segunda chance a obras importantes

A partir desta quinta, 10, e pelas próximas duas semanas, o Centro Cultural São Paulo vai apresentar a mostra Breves e Inéditos, formada por filmes importantes - alguns premiados - que passaram brevemente pelo mercado de salas ou foram lançados diretamente em DVD e Blu-Ray. 

São obras como Winter Sleep, de Nuri Bilge Ceylan, que ganhou a Palma de Ouro de 2014; 

Foxcatcher - Uma História Que Chocou o Mundo, de Bennett Miller, vencedor do prêmio de direção em Cannes, também em 2014; e dois outros filmes apresentados no maior festival do mundo no ano passado - Sicario - Terra de Ninguém, de Denis Villeneuve, que movimentou a seleção oficial com sua história violenta de combate ao tráfico na fronteira mexicana, e a primeira parte de As Mil e Uma Noites, de Miguel Gomes, que integrou a seleção da Quinzena dos Realizadores.

Curador da mostra, Célio Franceschet explica seu conceito - “Todos os anos, o número de filmes produzidos aumenta com uma velocidade proporcional ao aperfeiçoamento e ao barateamento da tecnologia digital, permitindo o acesso e reduzindo os custos de produção de um filme. Oposta a esta matemática está a do mercado exibidor, com um crescimento muito menor. As próprias distribuidoras ficam à mercê das janelas de exibição para aumentar ou diminuir a sua cartela de filmes. Por isso, a grande questão hoje, principalmente para os independentes, é - como exibir? Em meio às novas plataformas de exibição, o cinema ainda é espaço privilegiado para o realizador, e a primeira vitrine para o filme.”

Daí a ideia de resgatar, a preços populares - R$ 1 -, filmes que não tiveram muita chance no mercado. Outros títulos da programação - Uma Nova Amiga, de François Ozon; Love, de Gaspar Noë, com suas cenas de sexo em 3D; e Um Pombo Pousou num Galho Refletindo Sobre a Existência, de Roy Andersson.

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX