Cinema latino-americano tem destaque em Locarno

Mostra paralela do festival suíço reúne 30 filmes latinos; três são brasileiros

Rui Martins, especial para o Estado,

08 Agosto 2015 | 18h29

Ao término neste sábado, 16, do Festival de Locarno, vale destacar que uma mostra paralela, Open Doors, num total de 30 filmes, foi totalmente dedicada ao cinema latino-americano, dos quais três filmes brasileiros - Baixio das Bestas de Cláudio Assis, Jogo de Cena de Eduardo Coutinho e Santiago de João Sales. As escolhas foram feitas por Vincenzo Bugno, responsável pela mostra Open Doors.   Veja também: Curtas reúnem brasileiros; conheça nosso homem em Locarno   "A escolha pode ter um gosto pessoal, mas exprime certamente a originalidade, , a variedade, a capacidade de análise dos conflitos sociais, a riqueza expressiva e a grande força poética do cinema contido entre as regiões que vão da fronteira mexicana com os Estados Unidos até a Terra do Fogo. Escolhemos filmes dos países cinematograficamente mais importantes, como Mexico, Brasil, Argentina, de países emergentes como o Chile e de outros que conhecem seus primeiros sucessos", diz Bugno.   A esses filmes devem-se acrescentar outros como Filmefobia, de Kiko Goifman, concorrendo na categoria Cineastas do Presente e o curta-metragem Dez Elefantes, de Eva Randolph, concorrendo na categoria curtas-metragens Leopardos de Amanhã.   Sem participar de competição também estavam O Andarilho, de Cao Guimarães, membro do júri dos Cineastas do Presente; Estrada Real da Cachaça, de Pedro Urano, muito bem recebido em sua exibição no cine Kursal.   Havia igualmente os curtas Saltos, de Gregorio Graziosi; Sebastião, o Homem que Bebia Querosene, de Carlosmagno Rodrigues; Solidão Pública, de Daniel Aragão e Jardim Invisível, de Roberto Bellini na mostra Play Forward.   Tiveram também destaque filmes da Colombia, Costa Rica, Peru, Venezuela, Uruguai, Guatemala e Equador.   Embora os filmes brasileiros não estivessem na competição internacional de longas metragens, nela havia um importante filme peruano, Deuses, de Josué Mendez. "Uma análise da vida cotidiana da classe dominante peruana, que decidiu ignorar os problemas sociais e econômicos do país", segundo o cineasta.   Ainda havia a presença do filme mexicano Parque Vía, de Enrique Rivero, sobre a vida monótona e sem horizontes do zelador de uma mansão de ricos.   Ao mesmo tempo, foi anunciada a escolha de 12 projetos de filmes latino-americanos, que terão o apoio da Open Doors Factory, do Festival, e da Direção do Desenvolvimento e Cooperação da Suíça.

Mais conteúdo sobre:
Festival de Locarno

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.