1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Camila Márdila e Gigante Leo estrelam o filme 'Altas Expectativas'

- Atualizado: 08 Março 2016 | 19h 59

Diferença de altura é detalhe em novo longa

RIO - Talvez o primeiro filme nacional com um protagonista anão que não tem como função na trama fazer o público rir, Altas Expectativas traz outra novidade: é o primeiro trabalho grande no cinema de Camila Márdila após o sucesso de Que Horas Ela Volta?, que lhe rendeu o prêmio de melhor atriz no Festival de Sundance, dividido com Regina Casé. No longa, a Lena de Camila é a paixão de Décio de Gigante Leo, que a conquista a despeito da diferença de 50 centímetros de altura entre os dois – retratada na história, mas não seu assunto principal.

O filme foi rodado em fevereiro no prédio histórico do Jockey Clube do Rio, na Gávea. É entre cavalos, jóqueis e apostadores que fica o café que a melancólica Lena, descrita na sinopse como “uma bela mulher que não sabe rir”, herda de um tio, que lhe deixou também dívidas. Décio é um treinador experiente e premiado que desperta seu interesse com bilhetinhos bem-humorados e amizade sincera.

O roteiro e a direção da jovem dupla Pedro Antonio e Alvaro Campos, que usou de truques de câmera para que o foco estivesse no relacionamento entre os personagens, e não no 1,10 m de Décio. “Não privilegiamos a dificuldade física. Aproximamos a grande angular do rosto do Leo, para que ficasse maior em relação ao fundo, e não demos destaque a momentos em que ele sobe numa cadeira, por exemplo. Não buscamos olhos de compaixão e, sim, focar na dramaturgia, fazer com que, depois de meia hora de filme, a pessoa esqueça que é um anão”, diz Campos.

O anão e a bela. Diretores focam na dramaturgia e não na dificuldade física
O anão e a bela. Diretores focam na dramaturgia e não na dificuldade física

Com o parceiro, ele assistiu a produções que deram destaque a anões, como as séries Game of Thrones e Life is Too Short e os filmes O Agente da Estação e Willow – Na Terra da Magia, para se inspirar. “Nosso filme é o primeiro que tem um anão como protagonista dramático, humano”, acredita Pedro. “Tem cenas engraçadas porque a vida é engraçada.” O playboy Flávio, papel de Milhem Cortaz, que disputa a atenção de Lena com Décio, traz humor para o filme, assim como os personagens de Maria Eduarda Carvalho (Lia) e de Felipe Abib (Tassius).

“Lena carrega o mundo nas costas. Décio é deslocado como ela e a conforta. Acaba sendo a única pessoa que parece se conectar com ela de forma diferente, então eles se encontram nas diferenças. Ela tem um olhar horizontal para ele, o enxerga antes do julgamento da altura”, analisa a atriz, de 28 anos, natural do Distrito Federal e radicada no Rio. Décio rejeita as piadas sobre a deficiência física, mas acaba virando comediante para chegar a seu coração.

Estreante no cinema, Gigante Leo começou a carreira fazendo graça – venceu o Prêmio Multishow de Humor e participou do Porta dos Fundos. Ele não tem interesse no papel limitado usualmente destinado a anões. “O humor, o stand up são minhas zonas de conforto. Mas pessoal e profissionalmente carrego a bandeira de que o anão pode fazer qualquer papel.”

O ator tem 36 anos, faz peças desde criança, é servidor público e rodou o filme durante as férias – formado em ciências da computação e com mestrado em engenharia de software, é funcionário do Tribunal de Contas do Município do Rio. Casado com uma mulher de 1,65 m, ele percebe que, no filme, assim como na sua relação amorosa particular, o nanismo não é um dado fundamental. “É óbvio que no filme está sempre presente, mas o que é importante é que o personagem sofre de amor, tem problemas no trabalho, como qualquer um.”

Camila, depois de Sundance, fez participações nos filmes O Outro Lado do Paraíso, de André Ristum, Tudo Bem Quando Acaba Bem, de José Eduardo Belmonte, e Cora Coralina – Todas as Vidas, de Renato Barbieri. Altas Expectativas, que deve estrear no segundo semestre, será o maior deles. Camila não se deixa atingir pela pressão pós-Jéssica, a filha da empregada que não aceita ficar restrita ao quartinho dos fundos. “Que Horas Ela Volta? foi um projeto muito especial, sobre o abismo social no Brasil, e fiquei com vontade de fazer algo complemente diferente, um personagem que funcionasse em outra vibração.”

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX