Estadão - Portal do Estado de S. Paulo

Cultura

Cultura » Caixa traz três visões da estética peculiar de Brian De Palma

Cinema

Divulgação

Caixa traz três visões da estética peculiar de Brian De Palma

Box traz 'Um Tiro na Noite', 'Irmãs Diabólicas' e 'O Fantasma do Paraíso'

0

Luiz Zanin Oricchio,
O Estado de S.Paulo

05 Março 2016 | 16h00

De Brian De Palma se pode dizer que é um dos diretores mais cults da atualidade. Isso significa que existe um grupo de cinéfilos disposto a reafirmar a genialidade do cineasta a cada filme que faz ou fez. E não é que Brian tem mesmo obras geniais? A conferir neste digistack da Versátil com três longas – Irmãs Diabólicas (1973), O Fantasma do Paraíso (1974) e Um Tiro na Noite (1981).

E, claro, com o elenco habitual de extras desse tipo de lançamento: 119 minutos de depoimentos, making of de Irmãs Diabólicas e trailers. De longe, o melhor extra é uma extensa conversa entre De Palma e um entrevistador muito especial, o também cineasta Noah Baumbach (de Frances Ha). Entre eles, a conversa é técnica, sobre o fazer cinematográfico, uma pequena aula dessa arte.

E os filmes? De longe, o melhor, o mais bem realizado, é Um Tiro na Noite (Blow Out). Como em outros, De Palma dá livre curso à sua tendência de reciclar referências. (Leia texto abaixo). John Travolta é Jack Terry, sonoplasta de filmes B, que, uma noite, se encontra numa ponte com seu gravador e poderoso microfone, tentando captar sons da natureza para usar no estúdio. O acaso o leva a testemunhar um acidente de carro, que se precipita nas águas do rio. Terry consegue salvar uma jovem que estava no interior do veículo. O que ele gravou, sem querer, o leva a desconfiar da versão oficial do acidente e farejar uma conspiração por trás de tudo.

O que De Palma conta não é o mais importante. Vale é o jeito “como” conta. Neste caso, fazendo de uma prosaica gravação de ruídos a porta de entrada para um segredo que pode ter implicações políticas. Uma das cenas-chave é aquela em que Terry volta seguidamente a fita do seu gravador para tentar entender o significado de um ruído misterioso – que pode ser tanto o estouro do pneu quanto um tiro. Acredite, o filme é excitante, apesar de alguns toques típicos do cinema comercial, como uma inevitável perseguição de automóveis.

Em Irmãs Diabólicas, temos um thriller de ressonâncias psiquiátricas. Uma modelo é acusada de um crime. Quer dizer, uma vizinha afirma ter testemunhado o assassinato de sua janela. Onde estará o corpo? As coisas se complicam quando se descobre que a tal modelo incriminada tem uma irmã gêmea. As duas são xifópagas, separadas por cirurgia. Têm temperamentos diferentes. O suspense funciona melhor se você descartar a subpsicanálise que dá sustentação à trama e o dualismo simplista entre o Bem e o Mal.

E, por fim, chegamos a O Fantasma do Paraíso, talvez o mais problemático de todos, mas que, mesmo assim, conta com uma legião de fãs. É o mais extravagante De Palma. Um produtor rouba a música de um compositor e consegue mandá-lo para a prisão. Lá, ele sofre um acidente que o deforma e, em liberdade, se torna o tal fantasma, em busca de vingança. Sem dúvida, De Palma prefigura a barbárie em que a música e a civilização estavam submergindo, e, à sua maneira paródica habitual, tenta encená-la sob forma de uma ópera pop. Num dos extras, ele mesmo admite que misturou tantos elementos heterogêneos que perdeu a conexão com seu público. Mas o filme, à melhor maneira dos cults, foi recuperado depois e transformou-se em objeto de adoração. Vale a pena ser revisto.

A ARTE DE BRIAN DE PALMA

Distribuição: Versátil (2 DVDs, 3 filmes)

Gênero: Suspense 

Duração: 293 min.

Preço: R$ 69,90

Indicação: 14 anos

Cineasta move-se por citações, de Hitchcock a Eisenstein

Compreende-se a atração exercida por Brian De Palma sobre os cinéfilos. Seu cinema baseia-se... no próprio cinema. Nutre-se de referências, a mais importante delas a de Hitchcock, o porto seguro maior entre os cineastas e aficionados desde que os críticos dos Cahiers du Cinéma puseram o “mestre do suspense” nos cornos da Lua. Pode-se dizer, sem exagero, que encontraremos vestígios de Hitchcock em qualquer dos filmes de De Palma. Em Irmãs Diabólicas, por exemplo, a citação maior leva a Janela Indiscreta, em primeiro lugar, mas também a Psicose, dois dos títulos mais badalados de Hitchcock. 

Mas, se sir Alfred Hitchcock é a maior influência sobre o americano, não é a única. De Palma procura se alimentar de outras fontes e outros nutrientes, também de prestígio. Um Tiro na Noite, por exemplo, inspira-se no caso real do senador Ted Kennedy, que sofreu um acidente de carro em 1969, no qual morreu a acompanhante, sua ex-secretária. O fato, inexplicado e inexplicável, pôs fim às suas pretensões de se tornar presidente dos EUA. 

Além do caso real, o filme inspira-se no clássico Blow-Up, do italiano Michelangelo Antonioni e dialoga com A Conversação, de Francis Ford Coppola. Ambos, Blow-Up e A Conversação, por sua vez, tem origem num conto de Julio Cortázar, Las Babas del Diablo. A ideia é que a realidade é uma aparência, sobre a qual é preciso escavar para encontrar, atrás dela, outras realidades. No caso de Blow-Up, a ampliação de uma foto revela um crime. Em A Conversação e Um Tiro na Noite são os sons que, ampliados e decodificados, permitem perceber o que antes estava oculto. 

Já em Os Intocáveis, De Palma, numa cena famosa, imita a sequência mais célebre de O Encouraçado Potenkim, o clássico de Sergei Eisenstein. De arrepiar, a cena mostra um carrinho de bebê, descontrolado, descendo uma longa escadaria em meio a um tiroteio. O historiador Eric Hobsbawm considerava a sequência de Eisenstein os “seis minutos mais influentes da história do cinema”. Até um devoto de Hitchcock, como De Palma, lhe dá razão.

Comentários