John Macdougall / AFP
John Macdougall / AFP

Artistas e intelectuais francesas criticam 'puritanismo' de campanha contra o assédio

Manifesto defende a 'liberdade de importunar' dos homens, que consideram 'indispensável para a liberdade sexual'

EFE

09 Janeiro 2018 | 14h54

Cerca de cem artistas e intelectuais francesas lançaram nesta terça-feira, 9, um manifesto no qual criticam o "puritanismo" da campanha contra o assédio surgida por conta de casos envolvendo o produtor Harvey Weinstein, e defendem a "liberdade de importunar" dos homens, que consideram "indispensável para a liberdade sexual".

** 'O tempo dos abusadores já acabou', diz Oprah Winfrey no Globo de Ouro

"O estupro é crime. Mas o flerte insistente ou desajeitado não é um delito, nem o cavalheirismo uma agressão machista", disseram personalidades como a atriz Catherine Deneuve, a escritora Catherine Millet, a editora Joëlle Losfeld e a atriz Ingrid Caven, em manifesto publicado no jornal Le Monde.

As artistas disseram que "não se sentem representadas por esse feminismo que, além das denúncias dos abusos de poder, adquire uma face de ódio aos homens e sua sexualidade", em alusão ao movimento #MeToo ("eu também"), que surgiu para denunciar nas redes sociais casos de abusos machistas.

As mulheres também se referem a esse movimento como "justiça sumária", que julga homens "cujo único erro foi ter tocado um joelho, tentado roubar um beijo" ou "falar de coisas 'íntimas' em um jantar profissional".

** Jessica Chastain: ‘A única maneira de mudar algo é não ignorá-lo’

Apesar de reconhecerem que o caso Weinstein deu lugar a uma "tomada de consciência" sobre violência sexual contra as mulheres no contexto profissional, lamentam que agora sejam favorecidos os interesses dos inimigos da "liberdade sexual" e dos extremistas "religiosos".

O escândalo de abusos do produtor Harvey Weinstein, revelado em outubro pelo jornal americano The New York Times, suscitou uma onda de denúncias por parte de muitas atrizes que acusaram atores como Kevin Spacey e Dustin Hoffman.

** Meryl Streep é colocada na berlinda pela amizade com Harvey Weinstein

 

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.