Pierre Guillaud/AFP
Pierre Guillaud/AFP

Análise: Hubert de Givenchy e Audrey Hepburn, a parceria criou estilo que desafia o tempo

Dupla de ouro estabeleceu uma relação de cumplicidade sob medida

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

12 Março 2018 | 20h50

Completaram-se em janeiro 25 anos da morte de Audrey Hepburn, e ela ainda permanece no imaginário coletivo como um ícone de elegância. Em parte, isso se deve a Hubert de Givenchy, que criou para ela roupas que fizeram história - a écharpe vermelha de Cinderela em Paris, o pretinho básico de Bonequinha de Luxo. Conta a lenda que a iniciativa foi de Audrey, que foi visitá-lo em seu ateliê em Paris. Quando lhe anunciaram Mlle. Hepburn, ele pensou que fosse Katharine. Era Audrey, que já gostava de seus modelos, e pediu-lhe que desenhasse o figurino de Sabrina.

+++ O legado de Givenchy, o último cavalheiro da moda francesa

Ele declinou. Estava terminando uma nova coleção. Ela olhou e era o que queria. Nasceu uma parceria que durou até a morte dela. Mas não foi fácil. Emboras outros tenham contribuído para o figurino de A Princesa e o Plebeu, o clássico de William Wyler pelo qual Audrey recebeu o Oscar de 1953, e Sabrina, a comédia romântica de Billy Wilder, a poderosa Edith Head dominava o departamento de guarda-roupa da Paramount.

+++ Criador do 'pretinho básico' de 'Bonequinha de Luxo', Givenchy morre aos 91

Tudo terminava por levar seu crédito e assim ela é recordista de Oscars da história, muitas vezes redesenhando ou confeccionando criações de outros. Audrey quebrou a regra e, graças ao seu status de estrela, conseguiu que Givenchy fosse creditado como figurinista de Cinderela em Paris, de Stanley Donen. Ousando fez Bonequinha de Luxo, de Blake Edwards, todo mundo sabia quem criava aquelas roupas de linhas tão simples quanto sofisticadas. Estamos falando de filmes de 1955, de 1961. Charada, também de Donen, de 1965, já tem 55 anos. Como Roubar Um Milhão de Dólares, também de Wyler, 52. As roupas não revelam a idade. Seguem modernas. Talvez porque Givenchy e sua musa estivessem adiante de sua época. Ele jurava que nunca lhe impôs nada. Audrey sempre sabia o que queria, e o inspirava a executar seu desejo à perfeição.

+++ Hubert de Givenchy, lenda da alta-costura francesa, morre aos 91 anos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.