1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Análise: Filme ‘Zoom’ apresenta boa técnica e (certa) elegância formal

- Atualizado: 28 Março 2016 | 05h 01

Longa, que estreia na quinta-feira, 31, tem no elenco Mariana Ximenes e Gael García Bernal

Pedro Morelli já dirigira com o pai, Paulo Morelli, o intimista Entre Nós. Não era exatamente um filme preparatório para Zoom – Realidade Virtual, que estreia nesta quinta, 31. Pedro recebeu do produtor canadense Niv Fichman, da Rhombus Media, a chamada proposta irrecusável. Niv convidou-o para dirigir um filme de sua completa eleição, com apenas uma condição: deveria ‘ousar’. Não admira que, pronto, Zoom tenha ido para o Festival de Toronto, na seção chamada de Vanguarda.

Pode até ser que o filme não seja de vanguarda de verdade, como foram certos experimentos de linguagem nos anos 1920 e 30 e, depois, nos 50/60, as obras iniciais de Alain Resnais. Seja como for, Zoom, a parceria da O2 com a Rhombus Media, é cinema internacionalizado, feito no capricho, com boa técnica e (certa) elegância formal. Três personagens cujas histórias se desenvolvem num universo entre a live action e a animação. Coisa de Comic Con. A garota que quer fazer cirurgia para aumentar os seios, a modelo que quer escrever um livro e o cineasta, o homem ideal da primeira – que existe só em seus desenhos – e cujo pênis vai encolhendo. De repente, um parece estar vivendo a aventura criada pelo outro. 

Cena de 'Zoom'
Cena de 'Zoom'
No passado, filmes do cinemão como O Magnífico (de Philippe Broca), Como Matar Sua Esposa (Richard Quine) e Uma Cilada Para Roger Rabitt (Robert Zemeckis) meio que anteciparam Zoom. O resultado é engenhoso, mas com cara de exercício. Depois do fundo, a humanidade dos personagens de Entre Nós, Pedro Morelli entregou-se à forma. Alguém dirá que o filme, metalinguístico, é superficial e até vazio. O diretor é jovem, está achando seu caminho. O tempo e o próximo filme dirão para onde vai Pedro.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX