Alemanha teme 'boom' na venda de ratos com 'Ratatouille'

Imprensa divulga apelo de entidades aconselhando as pessoas a não comprarem os animais como domésticos

ANSA

07 Outubro 2010 | 15h53

O sucesso do filme infantil Ratatouille, protagonizado por um rato gourmet, está preocupando as associações amigas dos animais na Alemanha. A imprensa alemã divulgou nesta quarta-feira, 10, apelos de algumas entidades aconselhando as pessoas a não comprarem ratos como animais domésticos.   O desenho animado da Pixar, feito em parceria com a Disney, e que ainda não estreou em alguns países europeus e está em cartaz há pouco tempo na Alemanha, já preocupa o país, pois após a chegada de Ratatouille aos cinemas da França, em agosto, houve um aumento de 40% nas vendas de roedores.   As associações temem um "boom" na compra dos animais, como aconteceu há alguns anos com dálmatas, depois da chegada do filme 101 Dálmatas (1996). A diferença é que os ratos são considerados uma calamidade na Alemanha, e não um animal doméstico, e apesar da vida curta (que vai de dois a três anos) uma vez adultos, eles já não são mais tão graciosos.   Assim, os amigos dos animais querem evitar que, passada a súbita paixão pelos bichinhos, volte o desinteresse, já verificado com os cães no passado. Em muitos dos casos, os dálmatas eram abandonados ou tolerados com muita má vontade por seus donos, já "desencantados".   Também após a estréia de Procurando Nemo (2003), protagonizado pelo simpático peixinho de listras coloridas, muitas crianças alemãs tiveram a idéia de jogar seus peixes de estimação no vaso sanitário para dar-lhes de volta a liberdade, imitando o que acontecia no filme.   A imprensa da Alemanha deu espaço para os conselhos dos defensores de animais, mas também contestou a suposto aumento na venda de ratos, lembrando que nem sempre é assim. Com o desenho Stuart Little (1999), não foi registrado aumento na procura de ratinhos brancos, e Garfield (2004) também não estimulou a compra de gatos no país. E se isso tivesse ocorrido, hoje a invasão de ratinhos não seria um problema, brinca um dos jornais.   Ratatouille estreou no Brasil em 6 de julho, onde não causou a repercussão esperada na Alemanha. Ambientada na romântica Paris, a animação conta a história do ratinho adolescente Remy, que sonha em ser chef (inspirado no cozinheiro Auguste Gusteau, seu ídolo). O diretor é Brad Bird, premiado com um Oscar pelo desenho Os incríveis (2004), e contou com uma equipe de 70 animadores.

Mais conteúdo sobre:
Alemanha Ratatouille ratos

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.