1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

'A Ovelha Negra' traz a história de irmãos afastados que precisam se unir para salvar seus rebanhos

- Atualizado: 11 Fevereiro 2016 | 04h 00

Filme de Grímur Hákonarson levou prêmio no Festival de Cannes

Grímur Hákonarson esteve na Mostra do ano passado exibindo seu longa A Ovelha Negra, que venceu o prêmio da seção Un Certain Regard no Festival de Cannes – e estreia nesta quinta, 11. Quem presidia o júri era a atriz Isabella Rossellini, filha de dois mitos. A também atriz Ingrid Bergman, que foi homenageada dando seu rosto ao pôster do evento, e o diretor Roberto Rossellini, um dos grandes nomes do neorrealismo. Na apresentação do prêmio, Isabella destacou a simplicidade da grande arte. Disse que filmes não precisam de recursos, mas de coração.

Todo mundo tem sua fórmula, ou forma, e a de Isabella não é a única, mas vale. Grímur Hakonárson é islandês e adorou a feijoada da Mostra. E foi tomando uma caipirinha, que achou deliciosa, que conversou com o repórter. Seu filme é sobre dois irmãos criadores de ovelhas. Afastaram-se na vida, cada um seguiu seu caminho. Não se falam mais. Mas agora precisam se unir para evitar a destruição de seus rebanhos. Tudo começa quando a ovelha de um deles, de estimação, apresenta sinais de um vírus. Grímur sabe sobre o que está falando. “Meus pais moravam numa fazenda na zona rural da Islândia. Meu avô criava ovelhas. Estou familiarizado com a atividade, que sempre fez parte da minha vida, mas não é a história da minha família. É uma ficção que tentei desenvolver com um olhar de documentarista.”

Mesmo num país pequeno como a Islândia, você pode fazer documentário com equipe reduzida. Para ficção, já é preciso mais gente. “É até difícil explicar. Sempre tivemos cinema na Islândia, uma lei de financiamento que não mudou. O que mudou talvez seja a mentalidade. Há uma nova geração de diretores, a qual pertenço. Queremos fazer nossos filmes com sinceridade e simplicidade. São filmes baratos. Estamos tendo a sorte de ganhar projeção em festivais. E somos amigos – Runar Runársson, Benedikt Erlingsson, Dagur Kári. Dagur e eu somos amigos de frequentar as mesmas festas. Vivemos conversando sobre nossos projetos e filmes. Não há competição, mas camaradagem.”

Tradição. Ficção com um olhar de documentarista
Tradição. Ficção com um olhar de documentarista

Falar de ovelhas para falar de homens é uma decorrência da própria realidade da Islândia. “Nossa população de ovelhas é maior que a humana, mas, no fundo, o que me interessa é o drama familiar. Armei uma história que me parecia verdadeira, sem ser complicada. Concentração de personagens, de ambientes. O cenário é quase único. As complicações terminaram vindo durante a filmagem. Inverno, animais, não só as ovelhas, mas o cachorro. Todo dia havia um problema para resolver, mas a equipe pegava junto. Havia muita gente jovem também querendo aprender, fazer.”

Os elementos do drama são simples – a ruptura e a união familiar, o cachorro que transita entre os irmãos, um trator que terá um papel importante na evolução da narrativa. E o filme tem humor, alguma surpresa. Tem até uma cena de nu. “Fiquei surpreso em Cannes com a curiosidade pela cena. Aquilo é tão natural para a gente.” A mesma surpresa ele experimentou diante de tantas perguntas sobre as ovelhas. “Elas não são apenas um meio de produção e trabalho. Os pastores vivem isolados. As ovelhas tornam-se o seu divertimento. Elas são o nosso divertimento, enquanto povo. Há uma tradição que faz das ovelhas personagens decisivas de contos clássicos da Islândia.”

 

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX