MOSFILM
MOSFILM

A guerra e seu cortejo de horror são retratados em 'Vá e Veja'

O russo Klimov, destruído por uma tragédia pessoal, buscou inspiração no Livro bíblico das Revelações

Luiz Carlos Merten, O Estado de S.Paulo

07 Agosto 2017 | 04h00

Elem Klimov chegou a ser comparado a Jacques Tati por seu retrato de um dentista cuja habilidade para extrair dentes – sem dor – o transforma em objeto de ódio pelos colegas. O filme era As Aventuras de Um Dentista, de 1965.

Casado com Larissa Cheptiko, formavam o casal 20 do cinema soviético – mas ela morreu num acidente de carro, quando pesquisava locações para Adeus a Matyora, em 1979. Klimov concluiu o filme e fez um curta em tributo à mulher. Vida e obra sofreram radical transformação. Nunca mais o diretor de comédias. Em 1985, ele fez Vá e Veja, seu último filme.

Eleito dirigente da associação de diretores da URSS, aproveitou o clima da perestroika para enterrar a censura. Iniciou diversos projetos e não concluiu nenhum. Em 2000, anunciou que estava abandonando o cinema. Em 2003, as 70 anos, morreu.

Vá e Veja integra o pacote de filmes licenciados pelo selo CPU/UMES com a Mosfilm para distribuição exclusiva em DVD no Brasil. Não é só um dos grandes filmes do cinema. Talvez seja o mais terrível entre os filmes de guerra. Basta comparar com o poderoso Dunkirk, de Christopher Nolan, atualmente vem cartaz nos cinemas.

O título vem do Livro bíblico das Revelações. O Apocalipse. Quando se romper o quarto selo, o horror saltará aos olhos do observador. Vá e veja, advertem os signos. Um garoto. Quando o filme começa ele ainda é um menino e sonha se juntar ao Exército vermelho para derrotar os nazistas. Quando termina, é um velho alquebrado pela experiência.

Klimov situou a ação do filme na Bielorússia, hoje Belarus. Dos 9 mil vilarejos e cidades da região, cerca de 6 mil foram destruídos pelo Exército de Adolf Hitler, com todos os habitantes. A síntese desse horror é a cena em que Floryan, o protagonista, é preso com a população da cidadezinha na igreja e os nazistas tocam fogo.

Primeiro a luta de Floryan é heroica. Depois, ele só tenta permanecer vivo. Uma bomba explode perto dele e Floryan fica surdo. Em outra, está no campo, em meio a um rebanho. Que instinto é esse que faz as vacas se agitarem, sabendo que vão morrer? E de onde virá a morte? Animais num matadouro não têm tanta consciência da destruição iminente. A metáfora é terrível. Filmado em elaborados planos-sequência, o filme é visceral. A humanidade, no caos, clama por renascimento.

Mais conteúdo sobre:
Elem Klimov

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.