1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail
Entrevista. Marcelo Adnet

Humorista fala sobre a carreira e seu novo filme. 'Estado' visitou com exclusividade a filmagem de 'Os Penetras - Quem Dá Mais?’

'A Globo nunca nos disse - isso pode, isso não', diz Marcelo Adnet

Na terça-feira, 1.º, Marcelo Adnet introduziu um quadro - breve - no Tá no Ar - A TV na TV, satirizando o desastre que foi a participação de Gloria Pires como comentarista do Oscar, na Globo. “Utilizamos um material que estava parado, pedimos autorização para a Gloria e mandamos para o ar, tudo muito rápido. Como humorista, às vezes me sinto um repórter, incorporando a atualidade.” Marcelo Adnet fez essa observação no set de seu novo filme, no Rio. Na terça seguinte, 8, ele foi parar na redes sociais por causa do impacto produzido pelo quadro final do programa - uma paródia de canções de protesto de Chico Buarque, transformadas em odes consumistas, e por isso o Chico de direita foi rebatizado como Chico Buarque de “Orlando”.

Adnet gosta de se definir como um humorista que atua. Adora as caracterizações, e exemplo disso é o Rolando Lero do reboot de A Escolinha do Professor Raimundo. Seus projetos incluem até um talk-show. Marcelo ‘Seu Nome É Trabalho’ Adnet acaba de filmar Penetras 2. Desde que o 1, Os Penetras, faturou 2,6 milhões de espectadores em 2012, havia uma cobrança grande para que Andrucha Waddington fizesse o 2. A Globo Filmes e a Conspiração Filmes, na qual o diretor é sócio, queriam dar logo sequência às aventuras de Marco Polo e Beto, os personagens interpretados por Adnet e Eduardo Sterblitch. Andrucha resistia. Tendo vencido sua resistência à comédia para fazer o primeiro, ele se lançou a novos projetos, incluindo o musical Chacrinha, com Stepan Nercessian. Prometia - “Em cinco anos, a gente volta.”

Andrucha está cumprindo a palavra. No Rio, na sexta, 4, ele concluiu as filmagens de Penetras 2. Tire o número do título. É Os Penetras - Quem Dá Mais? De novo, a Globo e a Conspiração estão associadas e a Paris Filmes vai distribuir. A estreia está prevista para 2 de novembro, Dia dos Mortos. Vai fazer sentido, você vai ver. Na quinta, 3, o repórter do Estado, a convite da produção, visitou o set, no Rio. A cena filmada era uma noturna, no mesmo restaurante chinês da Av. Atlântica, Posto 4, que já havia servido de locação no primeiro filme. Contracenavam - Eduardo Sterblitch e Augusto Madeira, e Eduardo e Marcelo Adnet. O set reúne um monte de gente. O plano é rodado uma, duas, três, quatro vezes. Culmina com um torneio de Marcelo e Eduardo para ver quem come yakissoba mais rapidamente. “Não aguento mais comer esse negócio frio”, diz Eduardo. “Mas é o melhor yakissoba frio do Rio”, brinca.

Parceria duradoura. O diretor Andrucha Waddington com Marcelo Adnet
Parceria duradoura. O diretor Andrucha Waddington com Marcelo Adnet

Andrucha diz que demorou para fazer o 2 porque queria decantar o sucesso. Encontrar uma boa história. Quem Dá Mais? traz de volta os amigos, com direito a reviravoltas mirabolantes na trama. Tem até falso morto, mas cala-te boca. Olha o spoiler. Danton Mello faz um milionário (mafioso?) russo. “Cara, foi muito bacana”, revela o diretor. “Fizemos um trabalho de mesa, lendo os diálogos para adaptá-los à embocadura dos atores, e foi muito gostoso reencontrar esses personagens. Foi bom para todo mundo. Todo filme é sempre um recomeço, mas ,nesse caso, já conhecíamos os personagens e, de alguma forma, ficou mais fácil.” O diretor só tem elogios para o comprometimento do elenco. “Vestiram a camisa.” 

Na noturna desta quinta, 3, os maiores diálogos são de Eduardo Sterblitch. “O Edu me lembra Peter Sellers. Provoca confusão, o mundo cai ao redor e ele olha com candura para a câmera, como se não tivesse nada a ver com isso”, diz Andrucha. No intervalo entre Os Penetras e Quem Dá Mais?, Marcelo Adnet saiu da MTV, foi para a Globo, fez uma série (O Dentista Mascarado) que desconcertou o público, mas perseverou na emissora e agora colhe um grande sucesso, de público e crítica, com Tá no Ar - A TV na TV. Adnet não é um humorista como os outros. Não faz gracinha para o repórter. Fala seriamente sobre o humorístico de TV, o filme, o talk-show cujo piloto já gravou. Repete muitas vezes uma palavra - ‘autoralidade’. Marcelo Adnet, um autor de humor. Nenhum outro humorista brasileiro de TV ou cinema sabe tão bem o que está fazendo, e por quê.

Quanto ao diretor, Andrucha anda a mil. Depois de Os Penetras, dirigiu o episódio Dona Fulana, de Rio Eu Te Amo, fez o documentário André Midani - Do Vinil ao Download, dirigiu para teatro - o musical Chacrinha -, filmou Sob Pressão e atualmente prepara o show de abertura da Olimpíada do Rio com Fernando Meirelles e Daniela Thomas. De tudo ele fala. Sob Pressão é uma espécie de Plantão Médico carioca. Vai fazer um terror escrito pela mulher, Fernanda Torres, e até, como diretor contratado, um Chacrinha no cinema. Não será o musical, informa, mas Stepan Nercessian permanece no papel. Andrucha só se fecha em copas quando o repórter pergunta o que ele pode antecipar do show da Olimpíada. “Tá maluco, cara? Assinei um termo de confidencialidade. Só posso dizer que vai ser bacana.”

Adnet e Eduardo Sterblitch. Os amigos estão de volta em trama mirabolante
Adnet e Eduardo Sterblitch. Os amigos estão de volta em trama mirabolante

ENTREVISTA - Marcelo Adnet, Humorista - 'Gosto de humor-cabeça, não de torta na cara'

O humorista fala de referências, do talk-show que está preparando e de como é criticar a Globo na própria emissora

Já passa da meia-noite, quase uma da manhã, e boa parte da equipe já foi jantar, mas Marcelo Adnet sacrifica seu tempo para conversar com o repórter. Fala de Os Penetras - Quem Dá Mais?, do ‘fracasso’ de O Dentista Mascarado e do ‘sucesso’ do Tá no Ar - A TV na TV.

Como você explica o que ocorreu com O Dentista?

O público que me conhecia da MTV talvez esperasse que eu fizesse a mesma coisa na Globo. E o público que não me conhecia na Globo encarou com reservas o tipo de trama, sobre um dentista (o Dr. Paladino) de dia e justiceiro à noite. Mas foi importante para mim porque a produção era muito cuidada e bem diferente da MTV. Foi minha entrada num outro esquema. Meu humor é sempre autoral e veio essa outra ideia que desenvolvemos, Marcius Melhem e eu, e resultou no Tá no Ar.

Muita gente vê no programa ecos de TV Pirata, do Casseta e Planeta. O que você responde?

São programas que via muito, que formaram meu imaginário. Ria muito com aqueles personagens, aquelas situações todas, adorava a Escolinha do Professor Raimundo e está sendo muito especial participar do remake, mas o Tá no Ar difere de todos porque não faz um humor do cotidiano.  Existe em função da TV. Não existiria se não houvesse o zapping.

Você não tem tido problemas com aquele personagem que critica tanto a Globo?

Todo mundo quer saber dos limites que a Globo impõe. Nós mesmos (Marcius Melhem e ele) nos perguntávamos - até onde poderemos ir? Mas a Globo nunca nos disse - isso pode, isso não. E a gente vai indo. É uma questão de autocensura, não estou falando de acomodação. Acho que todo artista responsável tem de ter. A gente vai fundo, mas não estamos forçando a barra só para que digam que a gente é ousado. É gostoso de fazer. A gente se diverte e até se surpreende com as reações. Numa emissora que atende a todas as classes, temos conseguido atingir todo mundo com nossa proposta de metalinguagem da própria televisão.

Já que falamos da TV Pirata, do Casseta, quais são as suas referências?

São essas, e também Monty Python, o Professor Raimundo e o grupo Top Lista Nadrealista, que existia na TV Sarajevo e se dissolveu com a Guerra da Bósnia. Gosto de humor-cabeça, que tenha pausa, sutileza, alguma construção, não de torta na cara.

E o seu talk-show, sobre o qual tanto se fala?

Gravamos um piloto tendo Mateus Solano como convidado. Ainda não sabemos sobre o horário, dia da semana e sobre a própria estrutura. É um programa que está em desenvolvimento e ainda não temos quase nada concreto. Precisamos de uns meses pra desenvolver. Aproveito para esclarecer que não se trata de uma substituição de Jô Soares. São programas distintos e o início de um não depende do fim de outro. Além disso, estou participando da dublagem do Angry Birds, fazendo o personagem Red.

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX