Emmanuel Dunand/AFP
Emmanuel Dunand/AFP

Último fragmento de pintura desaparecida de Magritte é encontrado em Bruxelas

Peça foi localizada graças à parceria entre os Museus Reais de Belas Artes da Bélgica e o Centro Europeu de Arqueometria da Universidade de Liège.

Lily Cusack, Reuters

14 Novembro 2017 | 17h06

O último fragmento de uma pintura do surrealista belga René Magritte foi encontrado sob outra obra do artista em um museu de Bruxelas através do uso de imagens de raio-x.

A quarta parte de ‘A Pose Encantada’ (1927) foi coberta por Magritte para criar sua obra ‘Deus não é um Santo’, que retrata duas mulheres apoiadas em colunas, entre 1935 e 1936.

Os Museus Reais de Belas-Artes da Bélgica fizeram uma parceria com o Centro Europeu de Arqueometria da Universidade de Liège para encontrar a última peça do quebra-cabeças no mês passado usando imagens radiográficas.

“Os raios-x estão nos permitindo ver o que realmente está por trás da pintura”, explicou David Strivay, professor da Universidade de Liège. “É uma surpresa, claro, encontrar o último pedaço de ‘La pose enchantée’, mas também é comum ver processos diferentes... com estes tipos de técnicas”.

‘A Pose Encantada’ foi registrada no catálogo de obras de Magritte, mas ele cortou a pintura e reaproveitou a tela em 1932, muito provavelmente para economizar dinheiro.

O primeiro fragmento foi encontrado em 2013 sob ‘O Retrato’, de 1935, no Museu de Arte Moderna de Nova York, e os outros dois em Estocolmo e Norwich.

Agora a obra completa foi restaurada virtualmente no Museu Magritte, que abriga mais de 40 pinturas do artista.

“Ele realmente é uma figura internacional do movimento artístico do surrealismo, por isso é muito importante nesta era de pintura moderna”, disse Strivay. “Realmente é um prazer trabalhar com este pintor e entender como ele está trabalhando”.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.