Roubado há 31 anos, quadro de Willem de Kooning é recuperado nos EUA

Roubado há 31 anos, quadro de Willem de Kooning é recuperado nos EUA

'Mulher Ocre' foi encontrada em uma loja de antiguidades no Novo México e seu valor é estimado em US$ 100 milhões

EFE, O Estado de S.Paulo

12 Agosto 2017 | 20h42

Um quadro desaparecido do pintor holandês Willem de Kooning foi recuperada 31 anos depois de ser roubada do Museu de Arte da Universidade do Arizona.

A instituição informou na sexta-feira, 11, que especialistas terminaram nesta semana de verificar a autenticidade da obra ‘Woman-Ochre’ ('Mulher Ocre'), um quadro abstrato do pintor, que nasceu em Roterdã, na Holanda.

A obra tinha sido roubada do museu da universidade em 29 de novembro de 1985. Há poucos meses, ela foi exibida em uma loja de antiguidades em Silver City, no Novo México.

De acordo com a Universidade do Arizona, o dono da loja que adquiriu a pintura roubada, David van Auker, desconhecia o valor do quadro, possivelmente superior a US$ 100 milhões. Ele também não sabia que ele tinha sido roubado da instituição. 

Após adquirir o obra em um ‘feirão’ de móveis e quadros de uma casa à venda, o antiquário começou a ouvir comentários entre os clientes da sua loja, que perguntavam se aquela era uma obra original de De Kooning. Um deles, inclusive, chegou a oferecer US$ 20 mil para levá-la.

Ao pesquisar na internet, ele descobriu que o quadro tinha sido roubado há mais de três décadas da Universidade do Arizona.

“Só quis devolvê-la ao museu, não quero dinheiro”, disse Auker, segundo um comunicado da instituição.

De Kooning é considerado um dos maiores representantes do expressionismo abstrato e da Escola de Nova York, cidade para onde mudou quando era jovem e onde morreu em 1997.

“É um grande dia para a Universidade do Arizona e uma grande notícia para o mundo da arte”, disse o reitor da instituição, Robert Robbins, que agradeceu a Auker e o chamou de “herói” por ter devolvido a pintura ao seu “legítimo lar”.

Mais conteúdo sobre:
Arte Willem de Kooning

Encontrou algum erro? Entre em contato

0 Comentários

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.