1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Relação da arte com a natureza é tema de mostra no MAM

- Atualizado: 27 Fevereiro 2016 | 04h 00

Nova exposição do museu relaciona o 'Cântico das Criaturas' de Francisco de Assis e obras contemporâneas

Em 1961, quando o astronauta russo Iuri Gagarin declarou que a Terra vista do espaço era toda azul, o artista Yves Klein (1928-1962) “viu toda a sua obra confirmada”, como diz o curador Felipe Chaimovich. Logo no início da exposição Natureza Franciscana, que será inaugurada neste sábado, 27, no Museu de Arte Moderna (MAM) de São Paulo, a escultura Venus, criada pelo francês, mostra que seu intenso Internacional Klein Blue (o IKB patenteado por ele em 1960) é mais do que uma cor delirante e bela – ela é seu “louvor” ao céu; ou ao “ar” e às “nuvens” e ao “tempo claro” e a “todos os tempos” que dão sustento às criações de Deus, como indica a estrofe do Cântico das Criaturas – escrito por Francisco de Assis, aproximadamente, entre 1220 e 1226 – exibida ao lado da histórica peça escultórica.

Chaimovich, curador do MAM e da exposição, é um estudioso de longa data da obra franciscana e foi uma ideia sua relacionar agora o cântico a uma seleção de 37 trabalhos contemporâneos de artistas brasileiros e estrangeiros para promover uma reflexão sobre arte e ecologia. “A canção é o primeiro texto que, na tradição ocidental, estabelece uma relação de colaboração entre o ser humano e a natureza sem haver subordinação”, explica. Segundo Chaimovich, o cântico trata da ligação com a natureza não de uma maneira utópica, mas de um ponto de vista corporal – e, sendo assim, “o ser humano participa do mesmo processo que gera todos os corpos do universo”.

Vista da sala sobre o fogo com obras criadas por Shirley Paes Leme com traços de fumaça
Vista da sala sobre o fogo com obras criadas por Shirley Paes Leme com traços de fumaça

Em Natureza Franciscana, o Cântico das Criaturas (originalmente, escrito em italiano e que neste sábado, 27, será declamado pelo ator Juca de Oliveira durante a abertura da mostra) está fragmentado em oito estrofes que indicam, cada uma, os elementos destacados por Francisco de Assis em sua canção – o sol; o ar; a água; as estrelas; a terra; o fogo; doenças e atribulações; e a morte. As obras selecionadas pelo curador falam muito mais da conexão laica dos artistas com esses temas do que se apresentam como ilustração de cada tópico, é importante dizer.

A Venus de Klein, emprestada de uma coleção particular de São Paulo, está instalada na abertura da exposição, mas, logo ao lado da escultura, o visitante encontrará outro trabalho histórico, os 12 livros da série I Got Up (1968-1979), do artista conceitual japonês On Kawara (1933-2014). Durante 12 anos, ele escreveu a frase “I got up” (eu acordei) em cartões-postais – e sua obra é agora exposta no segmento de louvor ao sol em diálogo com fotografias de Lucia Koch e de Marcelo Zocchio.

A 'Venus' azul do artista francês Yves Klein
A 'Venus' azul do artista francês Yves Klein

Outra presença internacional na mostra é a sala dedicada à série que o alemão Wolfgang Tillmans realizou no observatório astronômico no Chile. Como afirma Felipe Chaimovich, as peças, inéditas na América do Sul, tratam da relação do homem com as estrelas “claras e preciosas e belas”, descreve Francisco de Assis – e, por isso, as obras fotográficas, impressas em grande escala, registram o firmamento com pontos cintilantes e também telescópios e “aparelhos de interpretação” do céu.

Já na seção dedicada à água, são apresentados os trabalhos Coleta da Neblina e Coleta do Orvalho, de Brígida Baltar, e A line in the arctic #1 e A line in the arctic #8 (2012), de Marcelo Moscheta. Em outra sala, o fogo é homenageado nas composições de Shirley Paes Leme criadas com fumaça – cujos traços são aprisionados em caixa de acrílico e capturados em papéis – e no vídeo Homenagem a W. Turner (2002), de Thiago Rocha Pitta.

A terra é contemplada com um relevo realizado em 1981 por Frans Krajcberg (única produção do artista a integrar a coleção do MAM); com instalação de Sergio Porto datada de 1975 (uma das primeiras a falar sobre ecologia na época); e com obra sonora de Chiara Banfi. O tema da doença é representado por trabalhos de Nazareth Pacheco e Paulo Lima Buenoz.

E como o Cântico das Criaturas diz que são “benditos aqueles que estiverem fazendo a tua santa vontade quando a morte os surpreender”, Natureza Franciscana se encerra com a exibição da última peça de tecido trabalhada por Leonilson (1957-1993) – ainda nua, apenas alinhavada.

Trabalhos destacam exercícios educativos em exposição na Sala Paulo Figueiredo

Para celebrar os 20 anos do setor educativo do MAM e da presidência de Milú Villela – pedagoga, diz o curador Felipe Chaimovich – na instituição, o museu também inaugura neste sábado, 27, na Sala Paulo Figueiredo, a exposição Educação como Matéria-Prima.

Já do lado de fora do MAM, a fachada de vidro do prédio apresenta a obra O Museu É Uma Escola, de Luis Camnitzer – antes de chegar à portaria da instituição ou mesmo durante um passeio pelo Parque do Ibirapuera, lê-se a sentença escrita em grandes letras brancas: “O museu é uma escola: o artista aprende a se comunicar; o público aprende a fazer conexões”. O artista uruguaio, referência quando se trata de arte e educação, criou a intervenção em 2010 e, desde então, a peça já foi instalada em outras localidades.

Dentro da Sala Paulo Figueiredo, Camnitzer também está representado por outro trabalho, Exercícios, que são proposições subjetivas a serem experimentadas pelo público da mostra.

Obra de série do fotógrafo cego Evgen Bavcar
Obra de série do fotógrafo cego Evgen Bavcar

Outro destaque de Educação como Matéria-Prima, concebida por Chaimovich e por Daina Leyton, coordenadora do setor educativo do MAM, é a presença de obras do fotógrafo cego Evgen Bavcar. O franco-esloveno, que perdeu a visão aos 11 anos devido a um acidente, expõe série de fotografias realizada no Museu Arqueológico Nacional de Nápoles, na Itália – na ocasião, ele pôde tocar as obras. Como conta o curador do MAM, será desenvolvida atividade pedagógica especial para deficientes visuais.

A mostra ainda apresenta criações de Amilcar Packer, Graziela Kunsch, Stephan Doitschinoff e Jorge Menna Barreto, e remonta Experimental, a instalação do artista conceitual Paulo Bruscky que coloca os funcionários do museu para trabalhar no espaço expositivo.

Também vale destacar que o MAM promove neste sábado, 27, às 12h30, e no domingo, 28, às 16 h, apresentações da cantora Mãeana como parte de Educação como Matéria-Prima.

NATUREZA FRANCISCANA e EDUCAÇÃO COMO MATÉRIA-PRIMA

MAM-SP. Parque do Ibirapuera, portão 3, 5085-1300. 3ª a dom., 10h/17h30. R$ 6 (grátis aos domingos). Até 5/6. Abertura no sábado, 27, às 11 h

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX