Publicações brasileiras

A Economia da Cultura Françoise Benhamou Ateliê 194 págs., R$ 35 Uma análise econômica do mercado de arte Françoise Benhamou é economista, professora da Universidade de Rouen e pesquisadora da Universidade de Paris I. Neste livro, ela faz uma análise econômica do espetáculo cênico (teatro, música, dança), do mercado de arte, do patrimônio e das indústrias culturais (livro, disco, cinema). Françoise discute os consumos culturais e o mercado de trabalho artístico, as justificativas e conseqüências das políticas culturais. Um vasto material, relativo à França, Inglaterra e EUA serve de base a esta síntese de um nicho de conhecimento pouco explorado no Brasil. Já em quinta edição na França, com traduções para o italiano e o espanhol, esta obra mostra a experiência que a autora acumulou em pesquisa e na direção de organismos culturais. Odete Inventa o Mar Sônia Machado de Azevedo Perspectiva 92 págs., R$ 22 Narrativa em busca do mistério Humano Como escreve J. Guinsburg: "A linguagem da sensibilidade no romance é um mistério da narrativa que só poetas dos fluxos verbais dos estados da alma - como Clarice Lispector, em português, Virginia Woolf e Katherine Mansfield, em inglês, para lembrar de alguns - são capazes de aí penetrar e expô-lo a uma luz que mantenha todo seu encanto, poder de invocação, força de emoção e solicitação de deciframento para um leitor moderno. Nas sinuosas dobras desta escritura, em que o sonho e a imaginação se desdobram como palavras em liberdade, Odete Inventa o Mar, numa fascinante narrativa da busca do ser humano por si próprio e por sua razão de ser no mundo." Sonia é atriz, diretora, dramaturga e doutora em artes pela USP. A Literatura na Poltrona José Castello Record 208 págs., R$ 35 Artigos sobre literatura e jornalismo cultural Neste livro, o leitor é o espectador privilegiado das memórias, cenas e entrevistas feitas por José Castello. No capítulo que empresta título à obra, o autor faz uma análise do ato de leitura do texto. Dessacraliza a relação entre intenção e obra, tema recorrente na crítica universitária, e que se esparrama no capítulo no qual vem dissecado Angústia, de Graciliano. A alteridade, a compreensão do outro e o literário estão no ensaio sobre Pessoa. A partir dessa análise, resvala-se para a alma da escritura e suas fronteiras, num leque de referências de Capote a João Antônio e Piglia e de Kafka a Borges. O livro termina com os cinco maiores poetas brasileiros do século 20: Drummond, Cabral, Bandeira,Vinicius e Cecília Meireles. Que Tipo de República? Florestan Fernandes Globo 308 págs., R$ 34 A nova República, por Florestan Fernandes Volta às livrarias esta coletânea de artigos do sociólogo Florestan Fernandes. Esta edição foi acrescida de um prefácio assinado por Fábio Konder Comparato ao lado da apresentação original assinada por Antonio Candido. Os artigos possuem um conteúdo bem definido e fazem uma análise da história a partir do movimento das Diretas Já (1984) e avança até a convocação do Congresso Constituinte (1986). Os artigos cobrem o período do fim da ditadura militar ao nascimento da chamada Nova República. Florestan tem como objetivo nestes textos não somente questionar o tipo de República que o País estava (re)construindo, mas que tipo de República deveria construir ou já ter construído. Rakushisha Adriana Lisboa Rocco 132 págs., R$ 24 Neste livro, Adriana Lisboa mergulha na cultura japonesa ao narrar os caminhos e descaminhos de Haruki e Celina, dois brasileiros que se conhecem por acaso e acabam viajando juntos para o Japão, ao mesmo tempo que revisita as imagens e a obra do poeta do século 17 Matsuo Bashô. Por meio dos olhos dos protagonistas - uma ocidental e um oriental ocidentalizado -, o leitor descobre as nuances inesperadas e muitas vezes contraditórias do Japão moderno. É na solidão de estar em um país de cultura tão diferente que os segredos de Haruki e Celina vêm à tona. Adriana apresenta uma narrativa fragmentada, que entremeia as vozes dos personagens com os versos de Bashô. Da Poesia à Prosa Alfonso Berardinelli Cosac Naify 240 págs., R$ 55 As razões e ?desrazões? da poesia moderna "Os oito ensaios que compõem Da Poesia à Prosa, do crítico italiano Alfonso Berardinelli, foram escritos nos últimos 25 anos. O mais antigo, As Muitas Vozes da Poesia Moderna (1983), talvez seja também o mais importante, no sentido de fornecer ao volume uma nítida coesão. Trata-se de uma crítica tanto precisa quanto fecunda do célebre livro de Hugo Friedrich, Estrutura da Lírica Moderna (1956)", afirma Murilo Marcondes de Moura na apresentação. O livro foi organizado por Maria Betânia Amoroso, que destaca no prefácio: "Os ensaios aqui reunidos trazem a melhor reflexão sobre as razões e desrazões da poesia moderna, embora em alguns momentos a estenda para a arte moderna em geral."

O Estadao de S.Paulo

07 Julho 2029 | 00h00

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.