Prêmio Bravo! rende tributo a Paulo Autran

Ator leva a maior homenagem da noite, que ainda incluiu Noll, Diaz, Ainouz, Levin, Ro Ro e Cena 11

Camila Molina, O Estadao de S.Paulo

03 Outubro 2007 | 00h00

Mais uma homenagem a Paulo Autran. Em agosto, o Teatro do Sesc Pinheiros ganhou o nome do ator brasileiro, que, aos 85 anos, completou no ano passado a marca de 90 atuações em montagens teatrais. Por onde ele passa há uma reverência a esse artista que está acima do bem e do mal. Na noite de anteontem, na cerimônia de entrega do 3º Prêmio Bravo! Prime de Cultura, na Sala São Paulo, não poderia ser diferente. Quase no fim da noite, quando foi anunciado que ele havia sido eleito pelo público o Artista Prime do Ano, o ator foi por longo tempo aplaudido de pé. ''''Que coisa linda ver tanta gente'''', disse logo que chegou ao palco. Depois de tantos aplausos, afirmou: ''''Sou pessoa controlada, só choro quando o personagem exige... Mas tá difícil falar.'''' E não falou mais nada, acenou e saiu do palco da Sala São Paulo na passagem mais emocionante da noite. Estavam entre os indicados para o prêmio Artista Prime o músico Caetano Veloso, o diretor Cao Hamburger, o autor de novelas Manoel Carlos e o escritor Ariano Suassuna. Paulo Autran recebeu R$ 10 mil e ainda uma carta de R$ 100 mil, já aprovados pela Lei Rouanet, para seu próximo trabalho. A entrega do 3º Prêmio Bravo! Prime de Cultura, evento que leva as marcas da revista Bravo!, da Editora Abril, e do banco Bradesco, foi temática: ''''Noite tropicalista'''' para comemorar os 40 anos do Tropicalismo, como definiu a mestra-de-cerimônias, a atriz Débora Bloch. Dessa maneira, músicas de Caetano, Gil, e tantos outros, com arranjos de Rogério Duprat, embalavam a festa, tocadas ao vivo por orquestra. Entre um prêmio e outro, também, a cantora Mariana Aydar e o músico Arnaldo Antunes interpretaram canções da cena tropicalista, sempre lembrada em fotos históricas projetadas no palco. Convidados especiais como o governador de São Paulo José Serra, Tom Zé, Murilo Benício, Ana Maria Botafogo, Antunes Filho e Maneco Quinderé entregaram os troféus para os premiados em dez categorias (escolhidos por júris formado por três especialistas em cada área), além do Artista Prime do Ano (votado pela internet). Em artes plásticas, como melhor exposição, a veterana Regina Silveira foi escolhida por Mundus Admirabilis, apresentada em Brasília. Na categoria melhor espetáculo teatral venceu Gaivota - Tema para Um Conto Curto, de Enrique Diaz; em literatura, o livro A Máquina de Ser, de João Gilberto Noll; em dança, o espetáculo Pequenas Frestas de Ficção sobre Realidade Insistente, de Alejandro Ahmed e Grupo Cena 11 Cia. de Dança; em cinema, o filme O Céu de Suely, de Karim Ainouz; em música erudita/CD, o disco Piano Transcriptions, de Ira Levin; em música popular/CD, 1.000 Trutas 1.000 Tretas, dos Racionais MC''''s; como show, Angela Ro Ro, que mostrou o repertório de seu novo Compasso. Por fim, como Personalidade Cultural do Ano venceu o empresário Pedro Herz, pela ampliação da Livraria Cultura; e a instituição escolhida por sua programação foi o Sesc São Paulo.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.