1. Usuário
Assine o Estadão
assine
  • Comentar
  • A+ A-
  • Imprimir
  • E-mail

Niura Bellavinha exibe o filme ‘NháNhá’ em São Paulo

- Atualizado: 25 Fevereiro 2016 | 12h 27

Obra já mostrada no Oi Futuro, no Rio, e na Biwako Biennale, no Japão, é destaque da exposição da artista na Galeria Millan

O filme NháNhá, de Niura Bellavinha, é um “poema trágico”, como diz a artista. No média-metragem, de 2014, faz-se uma poderosa imagem, a de uma pequena casa que, no topo de um morro de terra, é aos poucos tomada por uma poeira vermelha. A sequência de planos fixos e longos registra não apenas o que poderia ser visto como uma ação pictórica, já que Niura Bellavinha é pintora e o vermelho, que vai se incrustando naquela morada solitária e abandonada, refere-se a uma cor que é marcante em sua produção artística. A obra tem intensa poesia, mas, ainda, um lado político-social – NháNhá, surpreendentemente, fala também do impacto da mineração em Minas Gerais.

“Queria criar uma narrativa sobre a memória e sobre o entorno, mas, principalmente, sobre a matéria de constituição da terra”, conta a artista, que já exibiu o filme no Oi Futuro, no Rio, e na Biwako Biennale, no Japão. Agora, o média é apresentado pela primeira vez em São Paulo, tornando-se destaque da exposição iTa LíTica Barroca, que Niura Bellavinha inaugura nesta quinta-feira, 25, na Galeria Millan.

Cena do filme 'NháNhá', de Niura Bellavinha
Cena do filme 'NháNhá', de Niura Bellavinha

Anos atrás, em um momento de crise e reflexão sobre sua pintura, ela conta, a pintora, nascida em Belo Horizonte, saiu de viagem com a mãe e a tia pelo interior de Minas tendo Ferros como destino, cidade natal de sua avó, apelidada NháNhá. Munida apenas de um caderno e de livros do poeta mineiro Drummond, descreve, Niura avistou, durante uma parada na estrada, “uma montanha descascada com uma casa em cima”. Era a hora do pôr do sol e a poeira, “amarela, vermelha”, estava solta no ar. Sem dúvida, ela quis ver aquela construção de perto. “As mineradoras começaram a expulsar as pessoas da região e, quando abri a porta e as janelas da casa, apareceram as “contraformas” da cama, do crucifixo, do armário, de fotos ovais de família”. “Era a memória de quem viveu naquele lugar e foi expulso”, considera.

Ao chegar a Ferros, perto de Itabira, Niura Bellavinha escreveu o roteiro de seu média-metragem – só que NháNhá, realizado junto ao curador Alberto Saraiva, com fotografia de Alexandre Baxter, finalização de Lucas Sander e som de O Grivo, teve de ser filmado, na verdade, na região de Sabará pois a casa original encontrada na viagem já não mais existia, assim como a montanha, que era sua base, se dissolveu em “enxurrada” durante a mineração no local.

Hoje, uma das camadas do filme é tratar dos vestígios (e da violência) que a atividade mineradora deixa na paisagem e no cotidiano de Minas Gerais – entretanto, ao lembrarmos do desastre recente da mineradora Samarco em Mariana, sabemos que os estragos podem se espalhar e romper a fronteira mineira. Mas NháNhá é mais do que um trabalho sobre esse tema. A obra, tão forte, condensa uma série de questões da pesquisa e da história de Niura Bellavinha.

“A casa é como o corpo e imagine as paredes da casa como a pele”, explica a pintora sobre o conceito de seu média-metragem. Como ela conta, o grande escultor mineiro Amilcar de Castro (1920-2002), que muito a incentivou quando foi seu professor na Escola Guignard, em Belo Horizonte, costumava dizer que Niura pertencia a uma linha ligada aos neoconcretistas Lygia Clark (1920-1988) e Hélio Oiticica (1937-1980) – e, sendo assim, a artista já explorou a questão da pintura também usando o corpo como suporte por meio de performances (entre elas, é importante destacar Sopro, originalmente, de 1999 e na qual sopra pigmentos sobre participantes da ação).

Niura Bellavinha também constrói narrativa com a fotografia em 'Poeirão'
Niura Bellavinha também constrói narrativa com a fotografia em 'Poeirão'

Na mostra na Galeria Millan, a menção ao corpo também aparece (agora, diretamente) na série de fotografias Rodapé (como sugere o título, trabalho apresentado próximo ao chão), que representa campos de amarelo com marcas de pés. A imagem fotográfica – Niura Bellavinha trabalha o pictório por meio de diversas mídias – está ainda em duas outras peças, chamadas pela pintora de “articulados”. Nessas sequências (uma delas, Poeirão, em intenso vermelho), a pintora reconstrói a potência da narrativa de NháNhá.

E, como não poderia deixar de ter, iTa LíTica Barroca traz também belas pinturas sobre tela criadas com “terra vermelha” de Minas Gerais e pigmento azul feito a partir de pedra mineira. Nessas criações, Niura Bellavinha enaltece sua origem e faz referência, como diz, aos materiais utilizados pelo pintor Manoel da Costa Athaide (1762-1830), ou Mestre Athaide, autor das obras da Igreja de São Francisco de Assis, em Ouro Preto. Entretanto, as experimentações da artista não param por aqui – a pintora também exibe, curiosamente, esculturas em pedra-sabão (agora, numa menção ao escultor Aleijadinho) com intervenções em azul.

NIURA BELLAVINHA. Galeria Millan. Rua Fradique Coutinho, 1.360, tel. 3013-6007. 3ª a 6ª, 10h/19h; sáb., 11h/18h. Até 19/3. 

Abertura 5ª (25), 19 h

Comentários

Aviso: Os comentários são de responsabilidade de seus autores e não representam a opinião do Estadão.
É vetada a inserção de comentários que violem a lei, a moral e os bons costumes ou violem direitos de terceiros. O Estadão poderá retirar, sem prévia notificação, comentários postados que não respeitem os criterios impostos neste aviso ou que estejam fora do tema proposto.

Você pode digitar 600 caracteres.

Mais em CulturaX