Fredy Vieira/Santander Cultural
Fredy Vieira/Santander Cultural

Museus já adotam autocensura para evitar repetição do caso Santander

O Masp, por exemplo, colocou cortinas pretas nos desenhos eróticos do pernambucano Pedro Correia de Araújo, que o espectador interessado pode levantar para ver

Antonio Gonçalves Filho, O Estado de S. Paulo

12 Setembro 2017 | 19h59

O caso da exposição Queermuseu - Cartografias da Diferença na Arte Brasileira, cancelada pelo Santander Cultural de Porto Alegre, após protestos que viralizaram na internet contra o conteúdo da mostra, não é o primeiro nem será o último a levantar a questão da censura às obras de arte por meio da pressão financeira. Há três décadas, o Congresso americano cortou o fundo de quase US$ 100 milhões do National Endowment for the Arts (NEA) por patrocinar mostras de artistas como os fotógrafos Robert Mapplethorpe e Andres Serrano, após sofrer pressão de grupos como o America Family Association. Hoje, o NEA recebe a punição do governo Trump por ter promovido no passado exposições polêmicas como a mostra brasileira. Queermuseu foi montada com dinheiro da Lei Rouanet (R$ 800 mil), que será devolvido aos cofres públicos conforme promessa do Santander.

O exemplo do Santander Cultural de Porto Alegre se compara ao caso das poses homoeróticas dos modelos negros de Mapplethorpe ou das imagens anticlericais de Andres Serrano, que, em 1989, provocou escândalo ao exibir a foto de um crucifixo mergulhado num líquido âmbar que jurava ser sua própria urina. A mostra gaúcha tinha vários trabalhos de conteúdo considerado ofensivo pelas entidades que protestaram contra – e conseguiram fechar – a exposição, entre eles a obra Cena de Interior 2, realizada pela pintora Adriana Varejão.

Versão paródica da 'shunga', a antiga gravura erótica japonesa, em que os personagens orientais são substituídos por senhores abusando sexualmente de seus escravos, a obra de Varejão não é nem mais nem menos artística (talvez menos elaborada) que os originais de um Hokusai. Numa das gravuras do japonês, uma mulher faz sexo com um polvo – e vale lembrar que Hokusai era um homem do século 18, também autor de 36 líricas vistas do Monte Fuji. Nenhum museu civilizado proibiu até hoje a exibição do clássico Hokusai (1760-1849), endeusado pelos pintores impressionistas. Nem censurou sua zoófila imaginação.

Aqui mesmo em São Paulo, no Masp, temos uma exposição retrospectiva de desenhos e pinturas de Pedro Correia de Araújo, ativo nos anos 1920 e 1930, em que a curadoria, talvez antevendo reações de movimentos como o MBL (Movimento Brasil Livre) – que precipitou o encerramento de Queermuseu–, cobriu com uma pequena cortina preta as cenas eróticas desenhadas pelo pernambucano. Para ver, o espectador deve levantá-la. É o mesmo caso de Hokusai e Varejão: devem os museus expurgar o conteúdo erótico de suas instalações? Deve o mesmo Masp fechar as portas da retrospectiva de Toulouse-Lautrec por exibir obras de sexo explícito entre mulheres? 

O Masp encontrou uma forma de manter esse tipo de conteúdo acessível apenas a maiores de idade, adotando o procedimento de avisar que a mostra não é apropriada para todas as idades. Contudo, uma cortina preta não deixa de ser equivalente a uma tarja, a uma censura de conteúdo. É preciso, afinal, discutir se o Brasil vai ou não patrocinar mostras como a gaúcha Queermuseu ou imitar o exemplo de Trump, que, em março deste ano, enviou ao Congresso uma proposta de eliminar por completo a verba do National Endowment for the Arts.

A censura, considerada como supressão de palavras ou imagens consideradas ofensivas, pode partir do governo ou de grupos de pressão, como os que postaram na internet o vídeo que levou ao cancelamento da exposição Queermuseu. Sendo a censura governamental de caráter inconstitucional nos EUA, é fácil concluir que Trump exerce mecanismos de pressão econômica para dificultar o acesso a verbas públicas de artistas não alinhados com sua visão do que seja arte. Não foi muito diferente a estratégia usada por grupos brasileiros de pressão para levar o Santander Cultural a cancelar sua mostra. Nesse particular, talvez seja bom lembrar que uma sociedade livre é aquela em que os indivíduos podem decidir que arte querem ver. Ou fazer.

Encontrou algum erro? Entre em contato

O Estadão deixou de dar suporte ao Internet Explorer 9 ou anterior. Clique aqui e saiba mais.